gazeta2.jpg (8041 bytes)

O efeito nocebo

José Coelho

Você vê coisas que existem e diz: Por quê?
Mas eu sonho coisas que nunca existiram e digo: Por que não?
George Bernard Shaw (1856-1950)
Dramaturgo irlandês.


Muita gente conhece o efeito placebo, ele está há décadas documentado nos estudos médicos. Placebo é o efeito positivo causado exclusivamente pela fé ou a esperança de que algo pode dar certo.

A palavra placebo vem de um verbo latino que significa saciar-me-ei. Assim, no sentido clássico, um placebo é uma imitação de um remédio - em geral um inócuo comprimido, água com açúcar, no formato de uma pílula autêntica - prescrita mais com o objetivo de acalmar o paciente do que para satisfazer uma necessidade orgânica claramente diagnosticada.

Quando o resultado final é positivo, isto é, o paciente tem uma melhora significativa ou até é curado, ocorreu o efeito placebo.

Nos últimos tempos, os médicos começaram a prestar atenção no irmão maligno do efeito placebo, o efeito nocebo. O nome pode ser novo, mas é provável que você saiba como funciona. O efeito nocebo acontece quando expectativas negativas geram resultados negativos.

Estudos bem recentes determinaram que o efeito placebo ou nocebo são mais poderosos do que se imaginava anteriormente. Portanto, cuidado com o que você acredita - pode acabar acontecendo.

Eu nunca poderia...
Eu não mereço...
Eu não tenho capacidade para isso.

Você alguma vez já pronunciou uma destas frases? Pode ser que sim, quer você tenha a lembrança consciente ou não. Muitos de nós somos programados com crenças que representam limitações - o que podemos fazer, o que podemos ser, o que merecemos - de maneira que romper e superar essas crenças é realmente importante.

O que determina o seu comportamento é aquilo que você acredita. Isso acontece no amor, assim como nos negócios e na vida em geral. O que você acredita que é verdade sobre si mesmo se transforma em realidade graças ao elo inquebrantável que existe entre as crenças e os atos. Se você acreditar que vai fracassar, fracassará. Por outro lado, se acreditar que vai ter sucesso, terá sucesso. Se acreditar que não merece o que deseja, seja lá o que for, não vai conseguir. Em contrapartida, se acreditar que merece tudo de bom que a vida tem, estará receptivo a isso. Se você se convencer de que não tem capacidade, tratará de assegurar que não tem mesmo. Se acreditar que possui exatamente o que precisa para conseguir alguma coisa, então provavelmente conseguirá. Como disse Henry Ford, "se você acha que pode, ou que não pode fazer alguma coisa, você tem razão". O que você acredita sobre si mesmo e sobre as circunstâncias que o cercam causa um impacto direto na realidade.

O antídoto para o efeito nocebo é a sua imaginação. A sua imaginação pode ser usada para identificar e exorcizar as crenças limitadas. Comece abrindo a tampa lacrada dos sonhos. Remova o teto interno que você mesmo colocou, mova-se na imaginação e deixe a criança que há em você sonhar, fantasiar e criar, a partir daquele ponto interno em que sente a fagulha inicial do desejo. Vá para aquele lugar da infância onde você pode ser, fazer e ter o que quiser.

O que você quer ser?
O que quer fazer?
Para onde quer ir? O que deseja ter?

Assuma o poder para ser maior do que jamais imaginou, o poder de executar façanhas que o impressionam e ter tudo que a sua imaginação inventar.

Imagine que o mundo é a sua tela e que você tem todas as ferramentas, tempo e capacidade para criar a realidade que o seu coração desejar, qualquer que seja. Que aparência teria a obra-prima da sua existência?

O objetivo desse exercício de imaginação não é necessariamente forçá-lo a modificar radicalmente a sua vida, nem sugerir que você deva abandonar toda a sensatez, amarrar uma capa vermelha às costas e pular de um prédio muito alto, achando que vai voar. Ao contrário, o objetivo é abrir a mente para considerar as possibilidades. Se você vai passar de "eu nunca poderia" para "sim, eu posso", de "eu não tenho capacidade para isso" para "eu posso enfrentar esse desafio", então você deve expandir os limites das decisões e das crenças.

Por isso, se você deseja alegria, prosperidade e relacionamentos significativos, pense nestas mesmas coisas e jogue fora o frasco de nocebos!

(Colaboração de António Luís Rodrigues, fevereiro de 2005)

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo