gazeta2.jpg (8041 bytes)

Mediunidade de Incorporação

Humberto Fecher

Há mediunidade de incorporação. Em várias ocasiões, uma pessoa cai ao chão, se debatendo, ‘fora de si’, e logo dizem que é epilepsia (doença caracterizada por ataques convulsivos, perda da consciência e outras perturbações psíquicas). Em muitas ocasiões, é um problema espiritual, um problema de mediunidade de incorporação.

De todas as mediunidades, a mais evidente é a de incorporação: a pessoa dela dotada não consegue esconder de ninguém; não é uma doença como a epilepsia, é um problema espiritual, que tem que ser tratado espiritualmente.

O tratamento espiritual para uma aparente epilepsia (mediunidade de incorporação) exige que sejam tomados vários cuidados com o enfermo, que é um médium de grande potencialidade, vítima, nesse caso, da mediunidade de incorporação. O tratamento precisa ser feito por limpeza psíquica de Doutrina de alto valor (uma psicoterapia, tratamento por métodos psicológicos). É preciso verificar se não é mesmo epilepsia, que é uma doença física e tem tratamento físico.

Mesmo que o médium tenha ficado bom dos seus sofrimentos, com a limpeza psíquica e afastamento do astral inferior, ele não ficou livre da mediunidade de incorporação, e tem que continuar seguindo a espiritualidade para não ser vítima novamente do astral inferior.

Existem muitos produtos alucinógenos (substâncias que produzem alucinações), beberagens, cozimentos de ervas, álcool, tóxicos, produtos químicos etc., todos com a finalidade de produzir catalepsia (síndrome nervosa, de índole histérica, caracterizada pela suspensão total ou parcial da sensibilidade externa e dos movimentos voluntários), que são usados por seitas e religiões, de baixo conhecimento espiritual, para produzir efeitos místicos, mas que levam ao avassalamento, à obsessão (loucura). Os espíritos do astral inferior estão sempre atentos para aproveitarem-se dessas fraquezas dos seres humanos ignorantes do espiritismo.

A busca dos seres humanos pelo conhecimento espiritual é uma constante, seja nas religiões, no misticismo e até na ciência; o problema é para que lado vai esta busca, para o lado certo ou para o lado errado.

O único caminho verdadeiro é o espiritismo autêntico, esclarecedor, de alto valor, como é o caso do Racionalismo Cristão, com suas práticas de esclarecimento espiritual, limpeza psíquica com correntes astrais bem formadas, e correntes físicas disciplinadas. Sem isso, é perda de tempo, é o caminho para a obsessão, para a loucura.

O autor é presidente da Filial de Lins, SP

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo