gazeta2.jpg (8041 bytes)

Encaremos "O Trabalho" como um esplendoroso "Arco Íris"

Aida Luz

Íris é o nome que se dá ao conjunto de cores que se vislumbra,

No final de uma forte chuvada, quando o sol volta a brilhar.

É um momento de rara beleza, esse em que tão belo arco gostaríamos de alcançar.

Indiscutivelmente, é dos poucos momentos em que podemos desfrutar de uma calma suave e cálida,

Dando-nos vontade de ser poeta ou pintor, para traduzir em poesia ou passar para a tela, essa imagem tão bela.

Ainda que não passe de um sonho, de algo que não é palpável, pensamos:

Como seria bom, que esse arco-íris fizesse sempre parte de nossas vidas,

Recorrendo a ele sempre que se nos apresentasse a tempestade da vida.

Isso seria como que, o culminar de um desejo secreto em todos nós.

Sermos o que sempre desejamos, no mais recôndito de nossos seres.

Ter sonhos, todos nós os temos. Os pais para seus filhos. Os filhos para aqueles que trouxerem ao mundo.

Isso seria o ideal para todos nós, concretizarmos nossos sonhos!!!

Não podemos, contudo, deixar que o desânimo se apodere de nós.

Algo mais real, concreto, espera por nós, trazendo-nos o retorno daquilo que ansiamos.

Algo racional, que parece irreal mas não é, pois através deles conseguiremos alcançar nossos objetivos mais íntimos.

Lutar com perseverança, força, coragem e vontade de vencer.

Muito distante pode parecer o objetivo a alcançar, mas dispondo desses atributos, e, elevando, no sentido desejado, o nosso pensamento mais firme,

É meta que será, certamente, alcançada através de nosso próprio esforço, desde que o façamos,

Idoneamente, pondo à prova nossos atributos mais nobres,

Doando nossa férrea força de vontade, para a concretização do que ansiamos.

A idéia firme de conseguir o que pretendemos, deve ser guiada, a todo o custo, sob um rígido policiamento do nosso viver.

Luta incessante, para tal tem pois de ser travada, nos parecendo muitas vezes impossível de vencer, e, até nos sentimos, ás vezes, com falta de energia, cansados!...

O trabalho necessita, pois, ser encarado como único meio para atingirmos nossos objetivos, devendo ser executado com toda a honestidade.

Para se colherem bons frutos, há que ter cuidado na plantação ou sementeira, selecionando o terreno apropriado, escolhendo boas sementes, ou plantas, ou árvores já nascidas, à espera de serem transplantadas.

É pois necessário alimentá-las com todo o amor e carinho, regando-as, fertilizando-as, dando-lhes luz e calor.

Se tudo for feito como deve ser, a colheita será sem dúvida alguma boa, e, nos dará, como recompensa, o contravalor para a nossa subsistência.

Logo estamos a salvo de privações, uma vez que colhemos o necessário à nossa sobrevivência e à de nossos filhos.

Um regozijo imenso se apoderará de nós, ao constatarmos que fomos capazes de, com o nosso próprio labor, conseguirmos fazer face às nossas próprias despesas,

Zelando, ainda, para que fique um pequeno pecúlio, com o qual possamos contar, quando duma doença ou quando a velhice chegar.


Aida Luz, Portugal, 9 de julho de 2003



Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo