Teste de conhecimentos da doutrina racionalista cristã

202. Se a morte não existe, por que há sempre, mesmo entre os que conhecem o Racionalismo Cristão, um certo medo de morrer?

Como muitos responderam, termos consciência de que a morte não existe, mas, nem sempre, esse conhecimento é suficiente para afastar nosso apego à vida material.

Esse apego deve-se, em parte, a estarmos valorizando em excesso os bens materiais. Essa é a parte "negativa" do medo de morrer.

Outro medo, também referido pelos amigos, é o natural medo do desconhecido. Não sabemos exatamente como se dá essa "passagem" da atmosfera fluídica terrena para os mundos de estágio.

É, igualmente, motivo de apreensão o fato de não queremos deixar a convivência com parentes e amigos queridos, nem deixar problemas para eles.

Também ficamos apreensivos a respeito de termos (ou não) compreendido bem qual era nosso objetivo nessa encarnação e até que ponto o atingimos ou deixamos a desejar.

Enfim, muitas são as explicações para nos sentirmos "inquietos" diante do problema da desencarnação.

Mas não podemos esquecer aquilo que foi bem lembrado por alguns dos participantes: temos um enorme apego à vida material porque sabemos o quanto é importante uma encarnação.

Precisamos deste corpo físico para conduzir nossa evolução espiritual e perdê-lo significa perder uma oportunidade, ansiosamente desejada em plano astral, para evoluirmos. É essa consciência que alimenta nosso instinto de sobrevivência. Desencarnar significa interromper um processo (que é a encarnação) extremamente precioso.

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo