Teste de conhecimentos da doutrina racionalista cristã

34. Na resposta ao teste 30, com referência ao aborto provocado afirmou-se que "[...] em princípio, o aborto provocado é um crime espiritual". Fomos indagados sobre a razão dessa ressalva "em princípio". Que explicação você daria?

Se é uma ressalva, então há casos em que o aborto não constituirá crime espiritual.

Uma das faculdades conquistada pela Força em sua evolução é o livre-arbítrio. Todo espírito pode pensar e agir como bem entender. Em consequência, sua caminhada para as classes espirituais superiores à que se encontra terá uma trajetória mais, ou menos, longa.

Se um casal, por livre vontade de ambos, pratica ato sexual do qual decorre uma gravidez, então o aborto será crime.

Por outro lado, se a gravidez foi causada por estupro, a mulher não tem obrigação de assumi-la, pois não resultou de um ato do qual participou livremente. Neste caso, o aborto não constitui crime seja perante as leis sociais seja perante as leis espirituais.

Contudo, e não é raro, ela pode aceitar e cuidar da criança que virá. Obviamente, isso contabilizará créditos espirituais.

Março 2008

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo