Se fazendo de vítima!

Ely F. C. Ramos

Os atributos espirituais precisam ser estudados na íntegra e, além de estudados, é de fundamental importância colocá-los em prática em nosso dia a dia.

Vemos com muita freqüência o ser se colocar na posição de vítima, quando deveria era demonstrar sua grandeza. Tal comportamento demonstra necessidade de tratamento espiritual, principalmente quando os sintomas apontam para a baixa estima, pois quando isso acontece o ser apresenta comportamento de recusa ao tratamento da saúde podendo até mesmo atentar contra a própria vida com o único objetivo de chamar a atenção de outros.

A pessoa que se faz de vítima gosta de puxar o foco para si e muito comumente arruma sempre desculpas para tudo e acaba, às vezes, até convencendo.

Vive se questionando e lamentando: "Por que sou pobre? Por que sofro assim? Por que ninguém me entende? Por que ninguém dá valor ao que faço? Eu não mereço isso ou aquilo! Eu não deveria ter nascido!" Faz isso o tempo todo na tentativa incansável de fazer com que todos a olhem com olhar de piedade.

Sente a necessidade de ser vista como vítima, vive a se culpar de tudo que acontece. O hábito de se fazer de vítima, coitadinho, algoz, é um hábito inferior e deve ser excluído do comportamento de uma criatura esclarecida espiritualmente, pois se trata de um comportamento mesquinho e faz um grande mal ao ser e a todos ao seu redor. Torna-se difícil conviver com pessoas que se comportam assim, pois tudo que lhes fazemos tomam como ataque a elas e perdem a chance de enxergar o que de bom lhes acontece.

Aquele que se faz de vítima o tempo todo, jamais evoluirá! Pois fantasia o tempo todo, vive das sombras e não da realidade da vida.

O espírito é inteligência! É força! É poder! E comportar-se como vítima querendo merecer a pena e a atenção de todos é pequeno demais para um espírito em evolução. O ser pode conseguir até certo ponto alimentar-se deste sentimento inferior, mas como todo mal é passageiro, no momento em que começar a colher as reações das ações, sofrerá muito, e perceberá quanto tempo perdeu fazendo-se de vítima quando deveria estar se esclarecendo e evoluindo espiritualmente.

Que oportunidade terá tal pessoa para ser feliz se vive alimentando negatividade?

Para ser feliz é preciso abandonar este comportamento e se olhar de cima para baixo, não com vaidade ou soberba, mas valorizando-se, amando-se, respeitando-se como espírito único e de muita importância para o Todo, deixando de lado tudo que se volta a inferioridades. Dominando-se a si próprio, positivamente.

"A pessoa precisa estar sempre alerta e vigilante, consciente de que é força espiritual que vibra incessantemente, atraindo e repelindo.", RACIONALISMO CRISTÃO, 44ª ed., p. 46.

Petrópolis, outubro 2011

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo