gazeta2.jpg (8041 bytes)

O dia mais feliz de minha vida

Aida Almeida Lopes da Luz, Diego Garcia Leite, Joaquim Alves Neto
Jorge Alexandre Fares, Wilarmont Pereira Franco, Wilson Candeias Moita

ONTEM,
Fiz aniversário,
Meu time foi campeão,
Ganhei na loteria,
Ganhei um carro novo,
Recebi aumento de salário, e
Fiz a viagem de meus sonhos,

Mas, HOJE,
Hoje é o melhor dia de minha vida,
Porque, O ONTEM passou!
Passou no tempo, e
Não resgato as emoções vividas,

HOJE,
Analiso minhas atitudes de ontem,
Elimino minhas curiosidades,
Leio um novo livro,
Faço as Irradiações às Forças Superiores,
Mantenho uma amizade eliminando as diferenças,
Minha família é tudo para mim,
Luto por superar meus limites,
Pratico a cortesia,
Sou generoso,
Sorrio,
Choro, e
Sonho com o dia de amanhã,
Que será melhor do que hoje.


1. A luta de uma consciência envolvida com o bem

A consciência, quando alertada das falhas cometidas, lateja constantemente para a modificação interior da disciplina dos pensamentos e da reeducação da vontade, sob um prisma onde cada um simboliza as formas, cores e sentimentos à sua maneira.

Viver sem extremismo, pautando nossas decisões no equilíbrio, desligando a mente primitiva, saindo do discurso para novas atitudes com a prática do bem. Somos todos da mesma origem, respiramos o mesmo ar, somos partículas inteligentes da mesma Força Criadora, ninguém recebe o que não pode carregar, ao receber sabedoria, não guarde, ensine; ao receber valores materiais, multiplique com os demais, sirva com prazer em servir, compartilhe a colheita com sorriso, entusiasmo e alegria.

Não adianta peditórios, implorar ou barganhar ajuda, se o mal existe em nossa vida, é porque não estamos preparados para o bem, é necessária a reconciliação de nossa consciência ética com o êxito do bem, que fatalmente irá acontecer, garantido pelas leis naturais e imutáveis.

A vigília de nossa consciência ética é intensa e, nunca permitirá o atraso da evolução dos valores morais e do progresso da vida. Todos merecem sentir a alegria íntima da consciência tranqüila, do dever cumprido após um dia de lutas e sacrifícios, mas, boa parte da humanidade parece estar desnorteada, cada qual puxando para seu lado, muitos estão confusos, é como se tivessem perdido suas identidades, não sabem quem são, como são, e por que são? As más ações os deixam mal-humorados, sentem dor de cabeça, ficam enraivecidos e poderão enfermar-se mentalmente.

A vida é uma viagem e temos que fazê-la com segurança, todos os dias percorremos um determinado trecho, e, diariamente ao compararmos o que executamos com o que planejamos, traz-nos a satisfação de nossa consciência em sentir a felicidade de haver cumprido com nossos deveres, fica-se bem-humorado, sorridente e há alegria espiritual no lar, no trabalho e, na vida pública, dando a razão a quem a tenha, reconhecendo nossos pontos fracos e limitações, buscando a evolução de nossos valores morais e éticos.

2. A consciência está exatamente entre o bem e o mal

Os primeiros sinais de "consciência" surgiram quando o homem sentiu a necessidade de caçar em grupo e procurar abrigo das intempéries, dando origem à "solidariedade", pelo simples fato dos mais fracos instintivamente seguirem os mais fortes, que, durante a busca e a conquista do alimento, lutavam ferozmente para matar a fome, pois, as sobras do seu apetite eram disputadas por velhos, mulheres, crianças e moribundos. Esta situação ainda não podia ser considerada como solidariedade, porque os mais fracos continuavam sendo os perdedores. Portanto, os hábitos de usos e costumes da lei do mais forte são intrínsecos do seu instinto de animal, astuto, matreiro e predador. E através de suas necessidades primárias, os homens foram tornando-se independentes uns dos outros, cada um buscando novos caminhos, ficando sempre na dependência, na disponibilidade da natureza, sem um cultivo pessoal de qualquer aprendizagem e no decorrer dos séculos foram surgindo algumas virtudes básicas como a "ajuda", "respeito" e a "amizade", pelo medo de agressões físicas, o homem descobriu o seu lado hipócrita da subserviência ao mais forte como auto defesa, mas no início as coisas eram muito difíceis pela rudeza e aspereza do desconhecido.

...los usos y costumbres son patrimonio del grupo, en los pueblos primitivos y antiguos, las costumbres tienen una influencia decisiva en la dirección de la conducta humana...

... Por eso, en estas sociedades primitivas destaca la exterioridad de la moral: las costumbres del grupo se imponem a sus individuos; el individuo carece de criterio proprio, de personalidade desarrollada, de creencias propias y de vida espiritual interior propia; el interior de cada individuo está determinado por lo exterior, por el contexto social exterior. Esto no significa que el hombre primitivo carezca de "CONSCIÊNCIA PERSONAL", es decir, de una facultad interior, innata, recibida por conducto de la naturaleza, anterior a toda su vida social. Pero, en el hombre primitivo, esa facultad carece de cultivo y desarrollo. Y este defecto lleva consigo una dependencia extraordinaria del medio ambiente, el cual se suministra las normas de conducta. Aún en esta etapa subsiste, por tanto, alguna interioridade de la moral. (GREGORIO R. DE YURRE).

Com o natural crescimento da humanidade, novos valores e atitudes na evolução do homem vão surgindo e lubrificando a consciência humana; família, generosidade, responsabilidade, justiça, moral, ética, dignidade, deveres, zelo pelo trabalho, honra, bom humor, solidariedade, cortesia, sinceridade, confiança, igualdade, fraternidade, gosto e identificação com a natureza. Nesse convívio de interdependência pessoal, agregam-se novos valores, temos deveres e cumprimos regras para uma vida em sociedade, portanto, quando observamos problemas sociais graves, sentimos indignação e inconformismo. Então exigimos atenção e cuidados especiais com a coletividade, como educação, saúde, trabalho, segurança, maternidade, infância, excluídos e desamparados. Nas atividades públicas, exigem-se atitudes sérias, consciência da ética, qualquer centavo desviado parece nada, mas, seus efeitos serão percebidos ao longo da história de um povo ou nação, e beneficiarão na qualidade de vida, no meio ambiente e na evolução do homem que faz o presente e do que vai construir o futuro...

"A consciência está exatamente entre o bem e o mal" ...(Cícero, 106-60 a.C.)

Ao atingirmos a consciência do que é certo ou errado, através do estudo e do raciocínio temos melhores condições de luta e êxito. Beneficiando-nos do efeito da "evolução", vamos buscando a perfeição e nos identificando como partículas inteligentes de um todo na busca de nosso espaço ao qual pertencemos. As peças se encaixam todas, cada uma fazendo a sua parte, em permanente movimento, independentes, porém, componentes inseparáveis do Universo, caminhando para a frente e ao mesmo tempo em expansão.

Como a "evolução" é lei natural da vida no universo pleno de energia e vibrátil, não basta saber que o bem e o mal existem, somos nós que promovemos a evolução, a saúde, a paz e a expansão da prosperidade.

Trabalhar com os pés no presente, e sonhar com o futuro, é harmonizar-se com as vibrações do universo que são eternas.

3. Desagradável incômodo

Muitos seres humanos carregam o desagradável incômodo do medo de ficarem doentes e expostos a longos períodos em convalescença com alguma enfermidade degenerativa, ou vítimas de acidentes que causam lesões irreversíveis, portanto, todos devem ter a consciência que são vulneráveis, esse é o lado frágil do ser humano. Pensar é atrair e muitas enfermidades e acidentes têm origem em nossas mentes (mente sã, corpo são). O corpo é uma máquina e para tanto deve ser lubrificada, para estar em condições de suportar o peso das tarefas diárias e intempéries a que todos estão sujeitos. Precisa ser tratado, poupado o máximo possível, para que possa levar as ardentes lutas de ser úteis a si próprios e ao todo, no mais longo período possível de vida física. A matéria é finita e sofre o desgaste corrosivo do tempo, portanto, nenhum corpo físico é eterno. Devemos valorizar os pequenos sinais e sintomas, os alertas que o corpo nos emite.

O espírito também não existe para ficar preso a um leito ou dependendo de terceiros, a enfermidade é apenas um contratempo e deve ser superada, para tanto o corpo precisa ser estimado, cuidado e medicado sempre que necessário para resistir aos temporais que a vida oferece e ter a devida qualidade de vida que almeja-se, deve-se procurar um médico periodicamente, fazendo os exames necessários para detectar algum mal ainda no começo, que é muito mais fácil de tratar. O corpo precisa estar bem para trabalhar, lutar, enfrentar sofrimentos e dificuldades. Cabe a cada um cuidar-se, proteger-se das intempéries, defender-se e procurar evitar males, evitar as noites mal dormidas alimentadas por preocupações, dando os devidos descansos, repousos necessários para a recuperação da vida anímica que nós perdemos durante as atividades materiais.

Deve-se enfrentar as vicissitudes de cabeça erguida, com calma e confiança, bom humor, sinceridade, nunca maldizer, sempre praticar a cortesia, ser leal em atos e palavras, dirigir o raciocínio para a solução do problemas e utilizando-se de palavras de auto-estimulo e fortalecimento.

A origem de muitas doenças está na promiscuidade, na falta de higiene e nos ambientes insalubres. As doenças contagiosas alastram-se, principalmente entre os jovens, viciados em drogas, verdadeiros casos perdidos, não fazem caso. Atualmente há a AIDS, doença que é fruto de prevaricações, que muito trabalho está dando aos cientistas para encontrarem a cura. Cabe a todos mudança nas atitudes e principalmente aos casais, respeito, fidelidade irrestrita, dignidade e compostura moral.

Há também no mundo Terra o fluxo vibratório de saturação negativa pelas mentes humanas, por tudo de ruim que se possa imaginar, assim, todo o ser humano está sujeito a essas correntes negativas e avassaladoras, onde as doenças psíquicas em sua maioria têm origem, que resultam de angústias, desgostos, depressões, tristezas, ansiedades, medos e aflições que, se não tratadas a tempo, transformam-se em males físicos, distúrbios e lesões que acabam por comprometer todo o organismo. Portantom pensamentos pessimistas são sempre prejudiciais à saúde do corpo e do espírito. O que cabe a todos é não pensar nas mazelas do mundo, nem em desafetos, ou criaturas intrigantes, desgostosas, rancorosas, belicosas e invejosas, para não atrair suas enfermidades para dentro de nossas casas.

As ações de forças negativas em acontecimentos desagradáveis ocorridos nas vidas dos seres humanos podem ser constatadas através de manifestações mediúnicas confiáveis, obtidas em sessões públicas de Limpeza Psíquica, nas Casas Racionalistas Cristãs, localizadas em muitas regiões do nosso planeta.

O pensamento movimenta, incita, toma formas e nós vivenciamos esse mundo de pensamentos, somos nós que participamos com nossos pensamentos sadios ou enfermiços, uma vez conhecedores deste princípio, compete a nós dar a cadência, harmonia, elegância e elementos fortes para nossos sentidos, criando em torno de nós a essência de saúde.

A vida é algo mais do que simplesmente caminhar, não se pode criar fantasias e sim reagir, defender-se contra as enfermidades através do pensamento, procurar estudar, analisar, pesquisar a fundo dentro das possibilidades de cada um os porquês da vida, a razão de certos sofrimentos, para compreender que os sofrimentos fazem parte da vida física. Nos maus pensamentos estão as "causas" que fatalmente seus "efeitos" agredirão o corpo. Pensar é atrair ou repelir, lei de atração e repulsão, cabe ao ser humano conhecer-se como força e matéria, usar o livre-arbítrio para o bem, reeducar a vontade contra os desejos insuperáveis, atenção com as emoções, eliminar os maus hábitos e vícios do tabaco e álcool, cuidar da higiene pessoal, tanto do corpo quanto da boca, assegurar-se que a alimentação é a necessária e balanceada, praticar algum tipo de exercícios físicos como lazer, e cuidar da higiene mental com leituras saudáveis, fatalmente incidirá na saúde e a longevidade da existência física.

"Fale de seus sentimentos, tome decisão, busque soluções, não viva de aparências, aceite-se, confie, não viva sempre triste". A arte de não adoecer, Draúzio Varella.

4. O sofrimento

Qual é o ser humano que não enfrenta no dia-a-dia mal entendidos, ingratidões, decepções, traições, dissabores, dificuldades que surgem ou barreiras a ultrapassar? Não há regras de como sair dos obstáculos, porque as dificuldades que cada um possui, somente quem as carrega tem a percepção exata de sua dimensão, mas, nos cabe alertar que ultrapassamos as portas do terceiro milênio, se faz mister para cada um olhar para a natureza e perceber-se como parte integrante dela, sentindo em si o poder que possui, e encarar o sofrimento com altivez e desprendimento, só assim teremos coragem de enfrentar a dor e enxugar as lágrimas, para vencer a ignorância, o misticismo, dogmas, a insegurança e a incerteza, que deixam-nos abater trazendo-nos novas agonias e novos sofrimentos.

"Os sofrimentos são para os fortes de espírito, que os impulsiona para a frente, porque tudo reside dentro do 'eu' da criatura, e ela, sabendo raciocinar com valor, resolve muitas vezes coisas que lhe parecem difíceis, com relativa facilidade. Quem pretende ser ajudado, deve ajudar-se. E, ajuda-se o que respeita as Leis Naturais e vive em plena harmonia com elas. Como se enganam os que esperam milagres! Que ignorância manifestam! O triunfo na vida depende de trabalho e esforço de cada um." Luiz de Mattos.

Um dos maiores sofrimentos é o remorso e a amargura por algo que se passou ontem e o pavor que possa ocorrer novamente no dia seguinte. Como conseqüência precisamos apenas viver um dia de cada vez: HOJE. Devemos compreender que o sofrimento nada mais é do que algo que nos alerta, algum mal que está dentro de nós e nos passou despercebido, que devemos corrigir, nos esclarecer, buscar sua essência, o porquê, a causa desse sofrimento, para evoluir ou evitar sofrimentos maiores, encontrar dentro de nós mesmos, o remédio para o mal, suavizando as dores do sofrimento com a força do pensamento. Portanto, o sofrimento é uma arma eficaz, que está nos indicando que não usamos bem o livre-arbítrio, se faz mister discernir entre o certo e o errado, despertar o nosso raciocínio para o bem no cumprimento de nossos deveres, procurando ser úteis a nós próprios.

"NÃO AS FAÇAS QUE AS PAGAS" (Jesus)

Todos pensamentos quando emitidos ficam ligados ao dínamo emissor, portanto, todos retornam ao seu ponto de origem. Ao emitir pensamentos negativos geram-se enfermidades, a emissão de pensamentos carregados de má querença, sentimentos de ódio ou de vingança, fatalmente recairá sobre o "ser" emissor, lei conhecida como a "lei de causa e efeito", "lei do retorno" ou "lei da ação e reação".

Considerando que vivemos em um mundo escola e "depurador de almas", onde encarnam espíritos de diferentes graus de evolução, resgatando dívidas atávicas, resultados de encarnações passadas, portanto, sofrendo as conseqüências da lei de "causa e efeito", também poderemos sofrer o mau uso do livre-arbítrio gerado pelo nosso semelhante ou de espíritos desencarnados que ainda encontram-se perdidos na camada atmosférica, é de fundamental importância; não contaminarmos nossos sentimentos por desânimo, revolta e injustiça ao recebermos algo ao acaso e que não nos agrade.

O mal nunca venceu o bem, deve-se cultivar a paciência como virtude, com pensamentos altivos e alegria interior, acreditar em si próprio, desviar-se do mal, dos vícios, da indolência, empregando para isso o poder da vontade, tolerância e não fazer ninguém sofrer. O sofrimento de hoje será o lenitivo, a compensação para o amanhã. O sofrimento nos ensina a ouvir, a calar, e às vezes nem responder. Um bom remédio para enfrentar o que passou e o que está por vir é sair da estagnação mental e a ociosidade, é erguer a cabeça e pisar firme entregando-se à vida diária, ao trabalho e aos estudos!

5. Crenças infundadas

Os cemitérios e as igrejas, onde se fazem mentalmente evocações aos seres desencarnados, constituem pontos de atração de espíritos que permaneceram na atmosfera terrestre pelas correntes fluídicas afins com os pensamentos de encarnados e desencarnados que se formam nesses locais. Assim toda vez que o ser tiver de penetrar em tais meios, deve fazê-lo com consciência esclarecida, para não tomar parte na vibração dessas correntes. Quando o espírito desencarna e não possui esclarecimento espiritual fica intimamente ligado às coisas materiais sem se aperceber da sua desencarnação, com influência mais dominadora se viveu atolado nos vícios, com os pensamentos voltados para os prazeres materiais, seu corpo astral dá-lhe a impressão de carnal, e vagueia pela superfície terrestre, caminha como qualquer transeunte, aborrecido pela falta de atenção dos encarnados que não se apercebem de sua presença, porém começam a travar relações com outros espíritos em situação idêntica, assim estão fixados nos acontecimentos terrenos e nos desejos de sentir as emoções e os prazeres dessa mesma vida, passando a atuar sobre as criaturas encarnadas, e essa atuação, quando persistente, acaba por tornar-se obsessiva, assim permanecem na atmosfera da Terra, numa atividade semelhante a que tiveram como encarnados, exercendo junto ao encarnado suas atividades onde encontram mediunidade desenvolvida, também abarrotam as igrejas e quando percebem alguém suplicando por ajuda, até que tentam ajudar de boa intenção, porém sua ajuda é prejudicial devido seus conhecimentos não refletirem as necessidades do encarnado. Suas atuações são sempre prejudiciais enquanto se mantiverem na atmosfera da Terra, qualquer que seja o grau de evolução que tenham alcançado.

6. Encarnação, desencarnação e reencarnação

Encarnação significa o exato momento em que o espírito se apossa do corpo, ele assiste e preside a formação de seu corpo, transfundindo-se e consolida-se nele pelo perispírito, corpo anímico, molécula a molécula, órgão por órgão durante a gestação, até completar a evolução fetal; e dele toma posse inteira, absoluta, à natalidade, assenhorando-se então totalmente do barco que aparelhou para navegar no mar tempestuoso da vida material, sabe-se ainda que é o próprio espírito quem escolhe, após demorado estudo na vida espiritual, e busca, segundo as suas necessidades de ordem moral e intelectual, o país, a sociedade, a família, os seus genitores, e até sugere seu nome através do pensamento aos seus futuros pais, tudo enfim, quanto deva e possa concorrer para o seu progresso, assim é ele o principal e único responsável pelas contingências, pelas vicissitudes e dificuldades que o assoberbam durante sua vida corpórea, e enquanto encarnado vive formatando e concebendo idéias, intuições que recebe limitadas ao seu nível de conhecimentos, se receber algo superior a sua aprendizagem, fatalmente não saberá o que fazer com tal informação, é o mesmo que colocarem em nossas mãos uma máquina desconhecida por nós, portanto, não saberíamos seu manuseio nem sua serventia, fica assim comprovada a limitação da informação recebida, "via intuição" sempre necessitaremos de mais uma aprendizagem, sempre faltará algo, um novo patamar a ser alcançado na encarnação presente, também consideramos que todo processo de pesquisas e estudos são realizados passo a passo e muita paciência, assim vamos acumulando nossas experiências, nunca haverá tempo físico para alcançar toda aprendizagem numa única encarnação, isto por si, prova a necessidade de repetidas encarnações, idas e vindas, adquirindo sempre mais experiência, novas concepções de vida e maior tirocínio, nova trajetória adequada ao seu nível de adiantamento, vivendo em cada encarnação a experiência alcançada na anterior, até completar assim o ciclo provatório que pertence ao nível deste mundo. Essa idéia também justifica a existência de mundos de evolução em níveis diferentes de conhecimento ao qual pertencemos, com mundos dispersos no espaço, com centenas de milhões de espíritos em cada plano, patamares de evolução.

Normalmente a desencarnação deverá ocorrer na velhice como um fenômeno natural da vida dos seres humanos, significando o oposto à encarnação, uma existência humana inicia-se pela gestação, nasce, cresce, amadurece, opulenta-se e extingue-se naturalmente pelo envelhecimento, deixando de ter utilidade, passando a ser um fardo pesado ao espírito, cabendo uma solução natural e espontânea, que é a desencarnação, uma vez abandonado pelo espírito, o corpo físico nada mais é do que um composto de matéria, perdendo sua fonte natural de energia, sua força, que é o espírito, assim o corpo físico cai no domínio das leis químicas, desintegra-se, e suas moléculas passam a decompor-se e, a constituir outras formas de vida. O espírito no momento em que fica livre de todas as influências deste mundo, vai ao mundo de luz ao qual pertence e se submete voluntariamente a um detido exame de seus atos, quando nenhum só escapa à sua apreciação e seu julgamento. O remorso nessa ocasião lhe queima a consciência, esse remordimento é queimadura de alto grau produzida pelo atrito da luta íntima entre a constatação do mal praticado e a consciência do dever deixado de cumprir que faz o raciocínio desenvolver-se.

Dominado pelo arrependimento, anseia por uma nova reencarnação, disposto a dar o máximo de si para recuperar, o mais rápido possível, o tempo que perdeu na Terra.

Ninguém poderá chegar ao fim das encarnações terrenas enquanto não houver alcançado o mais alto nível de integridade e estar sempre disposto a contribuir para o bem geral, com justiça, dignidade e lealdade, contribuindo para a elevação dos valores morais, em geral, da humanidade.

Assim, passamos a entender que a morte jamais existiu, o espírito é um ser imperecível, devendo portanto as criaturas esforçarem-se por refazerem-se o mais depressa possível do choque causado pela desencarnação de parentes e amigos, para não enfraquecerem-se espiritualmente, predispondo-se a enfermidades, pois por seu abatimento e desânimo não comunicam, não transmitem ao corpo a vitalidade que faz nascer a energia. Também já é tempo de abandonar a crença de que os espíritos desencarnados necessitam de rezas, de preces ou orações. No campo espiritual, as influências perturbadoras não existem, a vida é sentida com inteira realidade, após a desencarnação, a lucidez é completa, então caberá a quem estiver, por exemplo, na obrigação moral de acompanhar os restos materiais de uma existência humana, desviar o pensamento da comunhão enfraquecida e erguê-lo sereno, claro, límpido, consciencioso às Forças Superiores, que é a meta para onde se dirigem todos os espíritos libertos de suas ligações com a matéria e das influências fluídicas originárias das emoções inferiores de que este planeta está saturado. Céus, paraísos, purgatórios, caldeiras incandescentes, infernos ou demônios, são contemporizações humanas que a própria razão e o bom senso repele, o mesmo acontecendo com julgamentos divinos, não existem deuses para julgar os que desencarnam, ao deixarem a atmosfera da terra, os espíritos vêem com alegria, o que fizeram de bem, e com profundo pesar as ações condenáveis.

7. Rota da felicidade

A vida de hoje, na turbulência do dia-a-dia, nos faz confrontar a todos os momentos com situações muitas vezes até inesperadas, que nos obrigam a pensar e a tomar decisões que deveriam ser bem ponderadas, mas às quais não se presta a atenção que seria desejável. Efetivamente, o homem, embora dotado de raciocínio, pondera normalmente muito pouco, preocupando-se apenas com o dia atual, esquecendo-se dos exemplos que adquiriu ao longo de sua vida, com saltos e tropeços, com ganhos e perdas, com vitórias e fracassos.

A época que atravessamos, principalmente a partir da década de 50 do século XX, trouxe-nos grande revolução na maior parte das áreas, e, principalmente, no tocante ás áreas de medicina e novas tecnologias.

Na medicina, podemos contar com equipamentos mais sofisticados, que nos permitem proceder a exames específicos, facultando-nos o acesso a tratamentos antes impensados, com uma enorme gama de medicamentos e de novas vacinas que nos ajudam a prolongar nossa existência física.

Através das novas tecnologias, e pela palavra escrita e falada, temos hoje a possibilidade de comunicar ao instante com todo o mundo. Principalmente as comunicações via Internet permitiram-nos encurtar distâncias e levar a tradução de nossos pensamentos até aos mais longínquos lugares.

Mas, o homem, ainda insiste em manter a sua ignorância da "vida fora da matéria", ao invés de aproveitar o desenvolvimento havido para seu benefício, examinando sua própria consciência e procurando mudar sua conduta para um melhor aproveitamento da sua encarnação, resolve dar simplesmente as costas. Olha para o seu irmão em essência, interrogando-se da razão de estar melhor de saúde ou de finanças do que ele próprio, e, resolve atribuir tais diferenças a um Deus imaginável ou ao destino, sem sequer reparar que não há lógica nenhuma para acreditar num Deus tão bom para uns e tão mau para outros. Onde estaria seu senso de justiça?

Cabe a todo ser humano tomar consciência de que para além daquele corpo material que tomba e se torna putrefato, ele tem um espírito que é eterno e que os valores que adquirir, com ele permanecerão eternamente. Pode até estagnar na evolução, dando mau uso ao seu livre-arbítrio, mas jamais retrocederá, pois o que é do espírito com ele fica.

Ser felizes, todos o querem ser, mas muitas vezes são imprudentes, e a felicidade tão desejada escapa-se-lhes, como se costuma dizer, "entre os dedos". Para tudo é preciso lutar, e uma luta para ser levada a bom termo tem que ser feita com o pensamento elevado.

Não vale a pena ficar pensando no que não conseguiram no passado, mas sim olharem para o presente, com vontade férrea de vencer, e sempre com a esperança voltada para o dia de amanhã, com plena consciência que enquanto estiverem neste mundo-escola, terão felicidade sim, mas apenas relativa. Assim procedendo, haverão de sentir o gosto doce da felicidade, por vencer, dia após dia, num caminhar constante rumo à felicidade completa, que só será alcançada quando já não necessitarem de encarnar mais.

Felizes daqueles que cumprem suas missões à risca e sabem servirem de pólos de atração às Forças Superiores. Esses, quando chegarem ao fim da viagem, haverão de sentir a alegria da vitória por terem sabido percorrer com esmero a "ROTA DA FELICIDADE", e, então poderão dizer: VALEU A PENA fazer de cada dia "O DIA MAIS FELIZ DA MINHA VIDA".

8. Encontrando a felicidade

A felicidade é um estado de sentir interior da criatura. Na maioria das vezes as criaturas não se encontram em condições psicológicas para distinguirem a felicidade.

Há aqueles que confundem as coisas agradáveis somente a eles, à felicidade. Sentem-se felizes por possuírem coisas materiais, mesmo que custe a infelicidade ou a desgraça de outrem.

Há outros que se sentem extremamente infelizes com a alegria alheia. Felizes com o fracasso até dos parentes mais próximos. Estes são os invejosos e maus, são os que devemos manter distância e irradiar por eles, por serem negativamente contagiosos e espiritualmente pobres.

Há aqueles que nunca estão satisfeitos com nada. São os eternos infelizes em potencial, que por mais que tenham uma vida social de destaque, rica e uma conta bancária gorda, estão sempre infelizes.

Alguns procuram a felicidade nas vaidades, nas jóias penduradas ao corpo, no carro novo, no apartamento em frente ao mar, no bairro ou condomínio de luxo, simplesmente para serem notados pelo que possuem, vivendo de aparências físicas. Não queremos dizer que as pessoas não possam morar e viver bem; queremos afirmar que o conforto e os bens materiais por si só não traduzem a felicidade.

Outros, impossibilitados financeiramente de possuírem bens materiais que possivelmente os destacariam socialmente, buscam a felicidade e o bem-estar nos golpes, no estelionato, na corrupção e na traição.

felicidade e o amor são expressões pouco entendidas pela sociedade humana, em virtude das enganosas interpretações.

Dizemos por exemplo que o amor é a expressão mais bela, do sentimento mais puro que a criatura é capaz de sentir, que transcende as fronteiras espirituais de tempo e do espaço. Ele não pode ser confundido com as paixões físicas ou sexuais, pois não está ligado à matéria e sim ao espírito elevado, à natureza ao Grande Foco, ao Astral Superior.

A verdadeira felicidade e o amor são valores universais inseparáveis. Não havendo possibilidade de sentir-se verdadeiramente feliz sem que se tenha ao menos uma mínima noção do valor magno do amor, onde repousam todos os princípios e atributos positivos e universais que conhecemos.

Muitas vezes só descobrimos que éramos felizes depois de muitos anos de vida.

Não cansamos de nos debater ou de afirmar, que o homem só compreenderá a verdadeira expressão da felicidade e do amor após a sua elevação espiritual, onde consiste a conquista da sabedoria pelos sofrimentos e pela prática das virtudes, pela grandeza dos seus sentimentos morais elevados, pelo conhecimento de si mesmo como força e matéria, além dos sacrifícios que as inúmeras reencarnações e passagens por este planeta nos impõem a voz da consciência em nossos mundos de luz.

Os dias mais felizes de nossas vidas estão distribuídos entre as inúmeras e incontáveis reencarnações do passado, em determinados momentos de cada uma delas, unindo o passado ao presente e o presente ao futuro. Portanto afirmamos que somos felizes todos os dias, por estarmos sorrindo; chorando, partindo e ficando, evoluindo espiritualmente em direção ao Grande Foco, embora somente lembremos da vida física atual.

Queres ser feliz, cultive a semente do amor.

Queres a lu,z fuja das trevas com sabedoria.

Queres justiça, seja justa e valorosa em seus gestos e pensamentos.

Se quiseres saber qual o dia mais feliz de vossas vidas, vos digo que é hoje. Sempre hoje.

O passado é hoje, o futuro é agora, é hoje!

Felicidades!

Agosto de 2006

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo