Filosofia conciliadora

Wilson Candeias Moita

Esta é uma escola onde desinteressadamente lhes é dita sempre a Verdade. É atribuído a Jesus, o Cristo, dizer: "De mil passará mas a dois mil não chegará". A nosso ver, julgamos que ele explicou veladamente que este século não terminaria sem que as trevas principiassem a ser varridas pela Luz! José Ferreira da Costa Júnior

Jesus era puro ao predicar, sensato e verdadeiro e suas palavras eram muito simples, construía suas pregações em máximas, tais como: "Só a Verdade fará o homem livre"; "A casa de meu pai tem várias moradas"; "Não as faças que as pagas"; "Conforme pensares, assim serás"; "Quem não tem não pode dar"; "Somos todos da mesma fonte de origem"; "Conhece a ti mesmo"; "Ama teu próximo como a ti mesmo"; "A criatura é o que pensa e é o que quer ser"; "Só a verdade vos libertará".

Era um valente, tinha como alvo elevar os mais simples contra a injustiça da época. Porém as autoridades de antanho, interesseiras, debochadas e desprovidas de valores morais, não foram capazes de o compreender, zombaram de suas ideias e o humilharam severamente pregando-o numa cruz, demonstrando o estágio de evolução em que viviam.

A morte de Jesus o Cristo foi uma tragédia que abalou a todos seus amigos mais próximos. Com o peso desse desastre emocional, seus seguidores assustados e em pânico, deram continuidade as ideias de seu máximo líder, correndo a voz entre as pessoas mais próximas.

A responsabilidade dessa empreitada de evangelização foi sendo divulgada cada um a sua maneira por seus discípulos, e assim ficou por muitos anos.

Paralelamente o Império Romano vivia uma fase aguda, falidas financeiramente e em decadência moral, vítimas de suas crueldades, mandos e desmandos, suas autoridades precisavam fazer algo para se manterem no poder.

Com o crescimento do cristianismo, o Império Romano no ano 336 o implanta definitivamente com a chancela oficial do imperador romano Constantino, gerando mais deturpações, pois estava carregada de interesses econômicos.

Assim no decorrer dos séculos, a pureza da verdade explanada por Jesus tornou-se ferramenta de poder, portanto perdeu-se a verdadeira pureza de suas ideias.

A passagem de Jesus pelas ruas de Nazaré gerou mais questões, sobre sua vida e suas ideias; as dúvidas que permaneceram não devem ser consideradas como algo de caráter proibido, mas sim serem pesquisadas sempre quando houver oportunidade para fazê-lo.

Se pensarmos que "certos temas" não devem ser esclarecidos, tornaremos nossas vidas centradas no dogmatismo, algo intocável, portanto sempre estaremos pendentes de maiores esclarecimentos.

Atualmente há universidades que continuam suas pesquisas sobre a vida de Jesus, como por exemplo, no presente há arqueólogos em escavações buscando por evidências da passagem de Jesus nas antigas ruas de Nazaré.

Após dezenove séculos de obscuridade que geraram males pelas deturpações implantadas pelo interesse, e pela falta dessa bússola norteadora que Jesus trouxe, permaneceram dúvidas as quais levaram o ser humano a multiplicar suas questões e respostas em mais religiões.

Mas somente no século XX, em 26 de janeiro de 1910, os valorosos Luiz de Mattos e Luiz Alves Thomaz – sob a orientação no plano astral do Padre Antônio Vieira – proporcionaram ao mundo a doutrina racionalista cristã, decodificadora das ideias de Jesus - o Cristo.

O Racionalismo Cristão tem como fundamento, de forma racional, o cristianismo, daí chamar-se "Racionalismo Cristão". É uma filosofia de reconciliação entre povos de todas as religiões no mundo, que gera educação, esclarecimento e espiritualização, enfim uma doutrina para o nosso tempo que facilita a todos que se conheçam como Força e Matéria.

Entre muitas máximas, Jesus dizia: "serás o que pensares" e "só a verdade fará o homem livre". Assim a nossa doutrina racionalista cristã, nos ensina: somos o que pensamos e nossos atos se refletirão nos dias seguintes.

Portanto, temos que ter o máximo cuidado com nossos pensamentos e nossas atitudes, utilizando sempre nosso livre-arbítrio para o bem, para que tenhamos um caminhar livre das atitudes grosseiras de nosso passado atávico.

O que se pratica nas Casas racionalistas cristãs são ensinamentos de Jesus Cristo, os quais ensinam a criatura a respeitar a si própria e não desejar aos outros aquilo que não desejaria para si.

A doutrina racionalista cristã veio ao mundo como ciência e não como religião. Como ciência da vida, veio expor aos seres encarnados a nossa composição astral e física. O ser encarnado é um universo em miniatura, composto dos mesmos elementos do próprio universo — Força e Matéria.

A Doutrina ensina a criatura a ser valorosa, desprendida, a ter palavra e atitudes fiéis aos seus pensamentos.

A doutrina racionalista cristã veio para colocar as coisas no seu devido lugar, para explanar com franqueza a Verdade.

Novembro 2009

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo