Entre vidas

Mariazinha Simões e Maria Filomena Besteiro

Assim, de encarnação em encarnação, progride o espírito, que é Força, Luz, partícula do Grande Foco, até que o seu estado mental esteja em condições de evoluir no Astral Superior, tornando-se obreiro do Bem e do Belo, para retornar ao Todo, de onde partiu. Pompeu Lustosa de Aquino Cantarelli, Saber viver

Quando folheamos as obras da doutrina racionalista cristã, com o intuito de estudar e/ou investigar, apercebemo-nos do longo caminhar para a evolução plena e também quais as regras de comportamentos para adquirirmos competências de maneira produtiva em que a finalidade é a evolução.

Numa primeira fase pensamos que tudo entendemos, mas com o tempo notamos que o caminho é longo e de entendimento gradual. Só assim faz sentido a palavra evolução.

Passamos a vida a viver vidas, em que somos o ator, o educador, o investigador, o projetista e quando encarnados no planeta terra, há oportunidades em dinamizarmos as nossas emoções. São as emoções que nos permitem comunicar os nossos sentimentos de forma expressiva, dando às palavras maior realismo. Por isso vale a pena realçar de que entre vidas são oportunidades para o espírito, no seu percurso de aprendizado, evoluir.

As emoções são um dos fatores importantes na nossa evolução. Sublinho riqueza, porque sem vivenciar as boas e menos boas que nos magoam de alguma maneira ou nos felicitam , não saberíamos qual valorizar. Todas estas emoções são vividas por nós no planeta Terra e através delas poderemos ter atitudes altruísticas ou não, dependendo da nossa capacidade de escolha. Faz todo o sentido falar sobre o esquema de evolução, já que cada um de nós tem que se educar, perante as situações com que nos deparamos, no dia-a-dia, não nos descontrolarmos, mas dominando-as e vivendo com decisões equidistantes de extremos.

Cada ser humano imprime a velocidade que quer na sua vida de acordo com os planos que se propôs alcançar, na certeza de que o caminho tem que ser feito leve o tempo que levar, sempre ciente de que só a verdade impera. Não vale por isso recorrer a embustes e/ou enganos que só serviriam para prejudicar e retardar o objetivo maior que é o fundir na nossa energia com a energia suprema universal.

A vida não acaba com a morte, simplesmente deixamos o corpo pertencente a este mundo e prosseguimos para outro plano, ou seja, o mundo de estágio até um novo regresso se assim for necessário.

Os meandros das vidas materializadas são imensas e em todas elas ficamos a conhecer mais partículas, outras nos acompanham durante várias encarnações, formando elos de amizade profundos. Por isso cada um de nós tem uma enorme responsabilidade tanto pela sua vida, como no tratamento educado e sincero dispensado aos filhos, aos amigos, enfim com a família e também para com as pessoas com que de alguma forma nos relacionamos, tanto profissional como particularmente.

Existe sempre uma consequência, tanto podemos deixar uma imagem virtuosa, como menos recomendável. Depende de cada um, entre as vidas que temos, aproveitar os mínimos detalhes para se diferenciar para melhor e assim evoluir, deixando um rasto de respeito.

Toda a partícula tem que ter por hábito parar para uma introspecção, equacionando o seu caminho de vida e assim poder desenvolver oportunidades, em que possa direcionar sempre de forma produtiva. Não nos iludamos com a matéria, simplesmente é o veículo para ascensão para o espírito. Tenham sempre a certeza de que cada um de nós é responsável pelos seus actos e que não existem perdões.

Existe ainda outra componente, entre muitas, que gostaria de focar, nestas idas e vindas, muito interessantes e que se manifesta útil sempre que a nossa sensibilidade a interioriza cujo benefício se traduz na aceitação dos acontecimentos menos bons tornam-se menos pesados, ou seja, à medida que vamos fazendo as nossas conquistas espirituais os desafios tornam-se naturalmente maiores e mais complexos frutos da escalada a que todos estamos sujeitos e isto só é possível pela prática das regras de um viver melhor, fruto do aprendizado assimilado.

A Doutrina, com os seus livros, nos alerta e nos esclarece sobre a nossa individualidade, responsabilidades, consequências, a verdade e o sentido ascendente da evolução. Compete-nos estudar, pensar e por em prática na nossa vida.

Do mesmo livro acima referido, menciono uma passagem:

"Tu te envaideces e te orgulhas, ó homem, do teu fragilíssimo saber, da tua ciência oficializada e das grandezas materiais deste mundo, mas o que há na Terra de grandioso é apenas um pálido reflexo do que há Além-Superior…"

Novembro 2009

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo