Decepção, um mal que aflige a humanidade

Ely Ramos, Sebastião Parreira, Elizabeth Fagundes e Antônio Gurjão Praxedes

O que fazer ao vivenciar uma forte decepção? O melhor a fazer é silenciar, para elevar o pensamento e, assim, emitir sobre a questão uma opinião justa e sensata, por saber que se o falar é prata, o calar é ouro. Depois, o mais correto seria irradiar para acalmar os ânimos de todos os envolvidos.

Se muitas vezes é impossível evitar uma decepção, por outro lado é uma sábia atitude reagir com serenidade e ter consciência de que decepções fazem parte do nosso viver no mundo Terra. Apesar de ser difícil transpor o efeito negativo que nos causa uma determinada decepção, não é impossível suportá-la, pois ninguém recebe além do que consegue absorver com coragem e valor.

É mister, também, analisar bem a situação e elevar sempre o pensamento, positivamente, pelo agente causador, pois de acordo com a lei de ação e reação não devemos esquecer de que, com base nessa, lei podemos, nós também, ter uma boa parcela de culpa.

Nesse caso, o que podemos aconselhar a quem está vivenciando tal situação? Ninguém pode dar aquilo que não tem, por isso o melhor a fazer é procurar entender como funciona a lei de ação e reação, pois tudo que fizermos a nós retornará. Tudo está devidamente interligado e tem a ver com nosso estado interior.

Diante das consequências negativas para quem sofre uma decepção, o que fazer? Dependendo do impacto causado ao agente receptor e do grau de controle de si mesmo, o resultado pode ser tranquilo ou desastroso; a consequência pode ser o desânimo, a apatia, a tristeza que são polos de atração para o astral inferior, o que pode levar à depressão e até a um transtorno psíquico, acabando por causar graves consequências e decepções irreversíveis, prejudicando-o mais ainda.

Se existe o lado negativo, diante de uma decepção existirá um lado positivo? Sim, as decepções também não acontecem por acaso. Devemos aprender com todos os acontecimentos de nossas vidas e com a decepção não é diferente. Tudo na nossa existência tem dois lados e uma dica é sempre seguir a intuição ao invés de seguir a vontade indômita ou a ilusão.

Quem sofre um golpe dessa natureza e altruisticamente releva, significa que esqueceu o mal que lhe causou a dor? Esquecer é difícil, mas desculpar é necessário. Desculpar acarreta eliminar mazelas de si mesmo. Somos seres humanos e, como tal, nunca esquecemos de um fato ocorrido, seja negativo ou positivo. Tudo fica gravado em nosso consciente.

Relevar significa ter amor ao próximo e dar ao agente causador uma nova oportunidade de corrigir seus erros. Entender que esse agente não agiu propositadamente. No caso de ter sido uma ação consciente é porque está mergulhado na ilusão, inconsciente e sem nenhum esclarecimento espiritual. Ou seja, desculpar é compreender e relevar o erro de outrem, é olhar sempre o lado bom da vida, dos acontecimentos e das pessoas.

No íntimo todos os seres racionais se amam, mas a mente inconsciente ainda não entende isso. Os mais esclarecidos conseguem compreender que não se deve pagar o mal com mal. Pelo contrário, devemos nos comportar com grandeza de caráter, gentileza e sabedoria espiritual. Precisamos nos desconectar de nossos instintos animalizados, controlar nosso temperamento voluntarioso, se desejamos processar uma evolução saudável nesta encarnação.

O gênero humano precisa se controlar e se auto corrigir o tempo todo e uma regra muito boa é nos colocarmos no lugar da outra pessoa, como dizem, calçando os sapatos alheios. Só assim, podemos descobrir onde aperta e compreender melhor nosso semelhante.

Então, podemos afirmar que decepções não se perdem na memória. Não, não se perdem. Tudo fica registrado, mesmo se acharmos ter esquecido. Querendo ou não a lembrança será sempre uma constante, trazendo de volta com ela a corrente negativa que envolve aquela circunstância. Então, mesmo não sendo possível esquecer é aconselhável se desligar e ocupar o tempo e o pensamento com o que de fato vale a pena ser pensado, lembrado e vivenciado.

Não se esquece do ocorrido, simplesmente se adapta à situação, entendendo-a e compreendendo todo o contexto com sabedoria e grandeza espiritual. Com o passar do tempo é até possível ver o causador de uma decepção como um instrutor da vida. E concluir que atrás de uma ilusão sempre terá uma decepção.

E para não finalizar com uma palavra negativa deixamos a dica: ninguém está livre de uma decepção neste mundo Terra, mas podemos escolher se vamos permitir que a esse mal nos derrube ou se reagimos com a força do pensamento positivo, colocando em prática os ensinamentos adquiridos na Doutrina que o mestre Luiz de Mattos nos deixou, o Racionalismo Cristão.

Junho 2012

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo