Condutas

Maria Filomena Besteiro

Quando dizemos código de conduta, referimo-nos ao procedimento da pessoa perante a coletividade e a si mesma.Racionalismo Cristão, 44ª edição.

A integridade é uma mais valência no acrescento espiritual do ser humano. Depende de cada um decidir se quer ser íntegro e/ou então viver atabalhoadamente sem nexo aguardando um suposto aliviar de consciência através de um suposto perdão.

É muito triste um ser humano falar da vida alheia, porque se está a diminuir a si próprio como partícula do Todo. Até porque tudo se sabe e é muito bonito quando nos abstemos de comentários sobre o caráter de outros, porque não há melhor professor que o tempo. Quantas vezes se ouvem comentários sobre nós mesmos, transmitidos por outros ... e ficamos a pensar se realmente alguém nos conhece tão bem, assim.

O ser humano é tão complexo, que por vezes nem nós mesmos sabemos a coragem que temos, para enfrentar os problemas que nos surgem na vida. Para prosseguirmos o nosso plano de vida, há que ultrapassar as dificuldades com sobranceria e ficar com todos os aspectos que surgem na vida bem resolvidos, sem machucar ninguém.

Há muito que optei, e por bem, não ligar ao que dizem de minha pessoa, porque assim sou mais feliz. Tento ver em todos os seres humanos, criaturas válidas, quem sabe se esse ser humano faz jus à sua inteligência e passe a querer mudar o seu comportamento, sendo um candidato esclarecido que quer evoluir.

O livro essencial Racionalismo Cristão, foi e é muito importante na minha vida, já que liberta o ser humano, tornando-o responsável pelas suas ações. A liberdade torna-se infindável, mas será sem limites?

Claro que não, mas sim torna-o mais responsável e consciente, impondo a cada um a necessidade em pensar e repensar as suas decisões. O viver acarreta responsabilidade e para todas as nossas decisões há uma reação. As decisões que tomamos podem reverter em acrescento na nossa evolução, ou então se decidimos de forma lesiva para com outro ser humano, iremos sofrer. Quem sofre, precisa de rever todos os aspectos da vida e começar as mudanças nas decisões que toma. Jamais alguém evolui, fazendo considerações menos próprias de outros.

Todos nós estamos preparados para aguentar os sofrimentos da passagem da vida passada. Mas é nesta vivência que preparamos a próxima encarnação. Nós somos o fruto das decisões da vida passada. No entanto, podemos mudar toda a nossa estrutura de vida, basta querer mudar de maneira honesta e responsável, impondo-nos uma exigência muito alta. Todos ao nosso redor irão beneficiar dessas mudanças, tanto a família, como os amigos.

Por isso, inicie a sua procura interior e pesquisa não pensando em impossíveis, porque é o próprio ser humano que arquiteta a sua vida e escolhe possibilidades que podemos suportar.

Agora deixo uma pergunta a si: Até quanto onde está disposto a ir pela sua evolução?

Agosto 2010

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo