gazeta2.jpg (8041 bytes)

Como é bom ser bom!

Aida Almeida Lopes da Luz, Carlos Vicente Lobosque, Dirceu de Mattos
Joaquim Alves Neto, Solange Vieira, Wilson Candeias Moita

Tu, que vês tudo pelo coração,
Que perdoas e esqueces facilmente,
E és, para todos, sempre complacente,
Bendito sejas, venturoso irmão,
Possuis a graça como inspiração,
Amas, divides, dás, vives contente.
E a bondade que espalhas, não se sente.
Tão natural é a tua compaixão.
Como o pássaro tem maviosidade,
Tua voz, a cantar, no mesmo tom,
Alivia, consola e persuade.
E assim, tal qual a flor contém o dom,
De concentrar no aroma a suavidade,
Da mesma forma, tu nasceste bom.
Por José Martins Fontes

Introdução

Quando um "Ser" se aproxima de um novo grupo social, ou de uma nova filosofia, que traz em seu seio o bem-querer, automaticamente seus pensamentos entram e vibram nessa corrente de fluidos de amor ao próximo.

A expressão popular; "Junta-te aos bons e serás um deles", nos traduz a realidade de alguém cansado e angustiado, que sofrendo pelo julgamento e rejeição de suas idéias ou atitudes, passa a buscar um novo caminho de afinidades.

Este "Ser" ao encontrar seu novo grupo social, e predisposto a uma nova atitude, passa a observar e perceber no grupo uma postura diferente de seus comportamentos anteriores. Ao descobrir novas afinidades, e com receio de não corresponder e não ser aceito, ficando assim impossibilitado de satisfazer seus "anseios", adota esse novo comportamento como sua nova imagem de exemplos a apresentar perante o trato com seu novo grupo.

Os pensamentos se entrelaçam numa mesma sintonia, e sua vibração conjunta marca a diferença, consolidando, assim, a idéia de que aquele que se integra num grupo bem formado, coeso, tem ao seu alcance tudo de que necessita para aprender e dar continuidade a uma vida íntegra, rumo a um futuro promissor. Ambientes com tal coesão formam barreiras invisíveis a olho nu, verdadeiras pontes fluídicas, e intransponíveis contra quaisquer influências das forças astrais inferiores.

Assim, esse "Ser" areja e oxigena seu proceder com novos hábitos que transformam a sua vida. Sua nova forma de portar-se gera a renovação de seu caráter, desabrochando um novo "Ser", espontâneo, ao interagir com seu trato social, com novas atitudes de ajuda ao próximo e a si mesmo.

Ser militante

Uma coisa é certa: a responsabilidade que o espírito tem em sua encarnação, ao serviço da militância do Racionalismo Cristão, pesa muito a seu favor, principalmente se for uma militância sincera, correta, desejosa do progresso espiritual e de resgatar suas faltas. Isto sim é verdadeiro, isto sim a criatura esclarecida deve buscar, cumprindo com seus deveres e fazendo com que esse peso na balança reflita favoravelmente até nas próximas encarnações. (Antônio Flor)

Ao adentrar em uma casa Racionalista Cristã, para exercer nossa atividade, entramos numa escola de princípios e de moral.

Consagramos nosso caminho à evolução, somos bem recebidos pelos demais militantes, ganhamos o respeito e o apoio dos Espíritos Superiores. Estar dentro de uma casa racionalista cristã é estar próximo à perfeição de sentimentos, aprendemos a ascender nossos pensamentos aos nossos mundos próprios. Faz-se contato com a disciplina de nossos atos, reforçamos a aprendizagem da simplicidade e da humildade. Reúnem-se deveres maiores e, entre estes, o de raciocinar corretamente, para evitar o cometimento de erros dos quais teremos, mais tarde, de arrepender-nos.

Ser militante é o processo de estar à disposição disciplinar da causa racionalista cristã, é servir a espiritualidade universal, é estar acima da linha divisória da bondade. Pela nossa disposição em ajudar, colocamo-nos ao serviço da verdade universal e absoluta. Pela leveza de nossos pensamentos, entendemos melhor os fluidos espargidos de bem-querer nas Sessões Públicas, e pela lei do retorno passaremos a compreender melhor nossa saúde mental e psíquica.

Servir a causa da doutrina racionalista cristã, é viver as duas vidas, material e espiritual simultaneamente. Como é bom participar na formação das correntes fluídicas, auxiliando os espíritos do Astral Superior a penetrarem na atmosfera da Terra, de onde são arrebatados os espíritos obsessores, muitas vezes reunidos em enormes falanges.

Servir como militante dentro de uma casa racionalista cristã, é estar em harmonia com o pleno progresso espiritual, é sentir aflorar a plenitude e as nuanças de nossa mediunidade, onde novos horizontes se ampliam com novas perspectivas de vida.

Dedicando-se ao trabalho nas correntes fluídicas, não lhes faltará o resguardo das Forças Superiores. Cada qual no seu posto, cuidará de si próprio, no desempenho das suas atribuições, sem ressentimentos. Sentir a alegria interior e procurar tornar-se merecedor da oportunidade que se lhe apresente de bem servir à causa, torna-se uma necessidade constante.

Auxiliar as Forças Superiores, conforme citado acima, é viver materialmente, ancorando nossos pensamentos elevados às Forças Superiores. É através da leitura que as mesmas fazem das dúvidas que nos afligem, que recebemos intuições precisas que nos ajudam a caminhar, neste mundo-escola, confiantes em nós mesmos.

Servir a causa racionalista cristã, é o contínuo aprender dos porquês da vida, aliado à disciplina da moral. Ao ouvir uma doutrinação direcionada ao próximo, inevitavelmente evoluímos nossos pensamentos, não tropeçando nos mesmos erros. Nos revestimos de coragem para enfrentar os sofrimentos que surgem como conseqüência da sucessão de nossas vidas, e, com o ardente desejo de sermos úteis ao próximo, aumentando assim o nosso acervo espiritual.

Servir a causa da verdade, é prosseguir na luta contra a ignorância dos costumes a partir de nós mesmos, luta essa do bem comum em favor do próximo que quer ser ajudado.

Ser militante é ser pólo de atração, um instrumento dócil, ponto de apoio que as Forças Superiores necessitam para normalização do planeta.

Ser militante é colocar a vida em ação, dinâmica e sem interrupções, e demanda renúncia e abdicação. É cumprir com nossos deveres, espontaneamente, pelo bem comum, livres de influências terrenas, e nos sentindo felizes em dar esse apoio às Forças Superiores para cumprirem com sua missão.

Ser militante é respeitar para ser respeitado. É primar por ter uma vida útil e transparente que sirva de exemplo ao nosso próximo.

O super-homem

O mundo Terra está de tal forma conturbado que as desgraças estão cada vez mais tomando conta da humanidade; não é só no Brasil, o mundo inteiro está sofrendo, tendo abalos, desencarnações prematuras. Por quê? Porque as criaturas não sabem nada da vida, só vivem para a matéria, não param um instante para pensar que existe algo além do corpo. É aí que se diz que o racionalista cristão é uma criatura feliz, feliz porque está a par das duas vidas e as sabe viver paralelamente. (Antonio Cottas)

A superioridade de nosso herói SUPER-HOMEM não está em sua saliência social, na sua riqueza, no seu porte atlético, em seu talento ou na sua sabedoria.

Também nosso super-herói não tem que ter a sua estante cheia de medalhas ou troféus evidenciando superioridade atlética. Também não tem que ter um mural de diplomas e pergaminhos evidenciando sabedoria acadêmica. Nem tem que possuir, necessariamente, uma conta bancária demonstrando pujança financeira.

Hoje, nosso herói SUPER-HOMEM está naquele que busca esclarecer-se, na investigação dos porquês da vida, e no verdadeiro entendimento em conhecer-se como FORÇA E MATÉRIA. Buscam no Universo, tudo que incita e movimenta cada ser humano. Apoiados nesse esclarecimento, dignificam sua vida com o bem que fazem, aos que deles se aproximam e por eles se deixam irradiar.

Nosso herói SUPER-HOMEM, faz-se em todos os momentos, não é nenhum ser "agigantado" e "voador" correndo a atender todos os reclamos de seu povo. Nem tampouco está em cima de um pedestal, todo-poderoso, senhor de todas as verdades.

É um ser simples e manso, pacato, que está dentro de todos nós, com pequenos gestos de solidariedade e fraternidade. Tenta ouvir e não interfere no caminho das pessoas, mas participa com sua emoção, sofre, chora e oferta sua amável ajuda. Num abraço oferece seu ombro, com suas mãos solícitas, e afável, sugere a aproximação, tentando entender, com prudência, o passo de cada um.

Nosso SUPER-HOMEM, poderá estar em todos os lugares e em todos os momentos, só depende de cada um de nós, em pequenos gestos de solidariedade, cedendo sua cadeira ou abrindo uma porta. CEDE e não faz exigências, oferece, não julga, mas auxilia e tenta compreender. RENUNCIA, a tempo, sem se prejudicar ou prejudicar a terceiros.

A presença de nosso herói poderá estar longe, fisicamente, mas a sua lembrança é um apoio fraterno, que o torna presente em diversos ambientes e no mesmo momento. Quando presente, sua simplicidade calma torna-o suave e afetuoso ao toque.

Nosso herói não se aniquila, negando ou justificando sua ausência. Sua conduta é a força moral que emana de seu cumprimento do dever. Protege o seu lar. Vive para servir a sua família e a todos.

Enquanto, os ricos em valores materiais, os inteligentes vaidosos e os atletas soberbos, não se esclarecerem espiritualmente, não poderão ser classificados como super-homens. São péssimos instrumentos humanos, representam assim um perigo social, e não auxiliam o progresso e a evolução, por estarem imbuídos de suas presunções, que os cegam para as coisas sérias da vida.

Ser "SUPER-HOMEM", consiste em conhecer-se como FORÇA E MATÉRIA. Soma e compreende, sua vida está fundamentada na moral, base perfeita da honradez, solidariedade, ponderação, moderação e prática da justiça. Faz a limpeza psíquica diariamente, pela manhã e à noite, e examina sua consciência, procurando corrigir seus defeitos, e irradiando seus pensamentos, mantendo-os elevados. Esta forma de ser e estar na vida, é que o torna um homem superior, amado e respeitado.

Atitudes na vida pública

Fiquem certos que a vida na Terra tem que ser bem vivida, embora a luta, os trabalhos, os reveses, as contrariedades surjam. Isso não tem grande importância; isso estimula até aqueles que querem lutar, e a luta espera sempre o homem, em todas as circunstâncias; em todo lugar onde o homem estiver, a luta estará presente. Queremos criaturas empreendedoras, que saibam lutar e saibam vencer. (Antonio Cottas)

A política é uma arte em diplomacia, a ciência do governo dos povos; arte de dirigir as relações entre os Estados, um plano de ação ou uma maneira hábil de agir com a comunidade.

Porém, os periódicos nos dão relatos diários que envergonham a todos, políticos que juram que estão falando a verdade, chamam-se entre si de corruptos, aumentam seus próprios salários, escondem-se atrás de leis que os favorecem com "imunidades" em defesa de seus interesses particulares.

Políticos venais, egocêntricos e gananciosos, sem limites com o dinheiro público, como elos em cadeia, malversam o dinheiro público, alheios às reais necessidades que a sociedade requer. Criam cargos fantasmas para seus familiares e apadrinhados. A malversação do erário e a aplicação do nepotismo, é uma chaga na sociedade, que subtrai e aniquila com as esperanças de um povo.

Na vida privada como na pública, também há a corrupção, compras inapropriadas com valores adulterados, gerando a carestia na vida de todos.

A "consciência em desenvolver o bem comum" inicia-se e expande-se em nossas casas, nas escolas e na comunidade em geral. Urge conversar com nossos filhos, com nossos alunos ou com nossos vizinhos, na busca dos reais valores, é o dever de todo cidadão esclarecido. Ser honesto não é virtude, é obrigação.

Quando estamos na vida pública, não temos direitos e sim, só "deveres e responsabilidades" para com todos. Portanto, são essas atitudes que fortalecerão o indivíduo no cumprimento e desenvolvimento de uma consciência pública.

Escolher para a vida pública, nossos pares, que não se contaminem por valores materiais. Urge preparar homens em nossas escolas, com gestos e atitudes que enobreçam e evoluam a grei humana com decoro, ética, zelo e transparência. Vida pública é a franca comunhão com os ideais de sua comunidade que o investiu no poder.

Uma sociedade violenta e mal preparada é vítima da política mesquinha de interesses pessoais, com atitudes carnavalescas de homens que envergonham a todos, insensíveis às necessidades do bem comum. Enquanto houver um homem público corrupto, que manipule vantagens pessoais a seu favor, todos estarão sendo representados como reflexo de uma sociedade enferma.

Homens públicos preocupados com a "própria benesse" esquecem da lei do retorno. O dinheiro malversado hoje faltará para as escolas, gerando um povo deseducado, violento e mal preparado profissionalmente, sem competitividade, conseqüentemente novos desempregados que gerarão encargos para futuros governos. Que efetivam o circulo vicioso, na violência de hoje, fruto de erros passados.

Atitudes que se assemelham aos répteis traiçoeiros, insetos sanguessugas, chupins, aves de rapina, são praticadas por bandidos onde a lei do mais forte impera como terra de ninguém, gerando mais violência. Acumulando erros à margem da lei. Lado oposto dos verdadeiros valores, com exemplos de pura ignorância pelas leis naturais da vida. Maus atos danificam o caráter de quem os pratica, marcando sua própria destruição.

"Lutas todos têm, e reveses também. Pois é para isso que todos vêm à Terra: para lutar e vencer. Caminhai com segurança, honestidade, desviando-se sempre da maldade. Pensar bem, trabalhar para o bem, ajudar os seus semelhantes: é esse o dever do encarnado. É para isso que aqui estais, para construir o vosso progresso" (Pureza de Moraes)

Somos seres de livre-arbítrio com exemplos de moral, dignidade, honra, bom senso, e deveres, onde se luta pelo bem comum, o saber da concórdia para a paz e a evolução de todos.

Exigimos "respeito" para com nossas crianças e para com nossos idosos, pelos bens públicos, pelo nosso país, estados, cidades, bairros, ruas, lares, escolas, clubes de servir, igrejas, ong's, e centros comunitários, conseqüentemente, diminuir-se-á a geração de violência e corrupção, e a reciprocidade do respeito e o bem virão, mas, tardará muito, com danos irreversíveis à sociedade que pleiteamos.

Da solidariedade individual à fraternidade universal

É preciso viver, é aqui neste mundo, cheio de sofrimentos, que o espírito vem resgatar faltas e fazer a sua evolução, engrandecer-se através de um caráter bem formado, de uma honradez a toda prova, de ser amigo daquele que o procurar pedindo socorro, um auxílio, uma ajuda, porque a vida neste mundo tem que ser bem orientada, e não há independência, porque todos precisam uns dos outros. Por isso, quando houver compreensão do que é a vida, desaparecerá o orgulho para imperar o caráter, a amizade sincera, a convivência mútua, todos respeitando-se, todos procurando viver trabalhando uns para os outros. (Maria Cottas)

A solidariedade pode ser entendida como um auxílio mútuo. Atitude de ligação recíproca de apoio entre pessoas, proteção e cuidado com alguém.

A grandeza da solidariedade ainda está longe de podermos mensurar. Associamos solidariedade a uma atitude que se faz em favor de alguém que está numa situação emergencial, carente de recursos ou em fragilidade emocional. Deixa-nos a nítida impressão de haver uma parte dependente, que não pode nada, impotente e que requer ajuda.

O ser que é solidário ajuda sem preconceitos, está pronto para enfrentar qualquer dificuldade, não enxerga obstáculos.

Há momentos na história da grei humana, que a solidariedade corre em direção das partes desprotegidas. Tudo fica ao avesso diante das calamidades dos desastres naturais, tais como; a passagem de um furacão, uma grande nevasca, a desordem de um terremoto, a permanência dos resíduos de uma guerra civil, ou o desespero causado pelo surto de uma enfermidade contagiosa.

O abalo que toma a todos, depois de uma catástrofe, conduz o homem a pensar em si, sentindo-se como protagonista do evento calamitoso, levando-o a conscientizar-se da ajuda.

Também não devemos ficar de braços cruzados, esperando pelo fracasso de outrem ou por uma comoção social para acionar nossa solidariedade. Podemos nos antecipar às tragédias. Se nos prepararmos, nos tornaremos fortes, não teremos medo pelo pior. Os serviços meteorológicos, "via satélite", nos informam com precisão, sobre eventos climatológicos, furacões, quedas ou altas de temperatura, chuvas torrenciais, conseqüentes desmoronamentos, enchentes com perdas irreparáveis, para a população mais carente.

Nas pequenas comunidades todos se ajudam, recolhendo roupas e alimentos, individualmente ou em conjunto, dividindo o pouco que têm. Mas, precisamos pensar na solidariedade dos pequenos gestos, como por exemplo, saber ouvir um desabafo, socorrer alguém caído, ou renunciar em favor do mais fraco em uma fila. Enfim, a solidariedade tem sua ternura, quando praticada amiúde, num aperto de mão ou num sorriso. Na doação dos sentimentos, ganhamos o respeito.

Existe um outro tipo de tragédia que cruza o planeta através dos pensamentos deletérios, que poderão tornar-se de uma obsessão individual ao avassalamento coletivo em segundos. Como pólos de atração que somos, elevamos nossos pensamentos às Forças Superiores, e, com uma irradiação amiga, compartilhamos nossa ajuda com o próximo. Assim, cruzamos a linha da Solidariedade para a Fraternidade Universal, abrimos espaço para a concórdia, ao livre-arbítrio e à evolução humana.

Conclusão

É sempre gratificante deixar de fazer algo, ou ceder em favor de outros. Maria de Oliveira

O mundo está conturbado, com abalos e desencarnações prematuras. As criaturas quando só vivem para a matéria, e não encontram a saída para suas dúvidas e sofrimentos, pois, não querem raciocinar e reconhecer que existe outra vida além do corpo físico, prejudicam-se a elas próprias, e, ao desencarnarem, reúnem-se aos seus afins, engrossando as falanges do mal, que constituem o astral inferior, contribuindo assim para o desenvolvimento de autênticas calamidades públicas.

O ser estudioso e racionalista cristão torna-se feliz, porque conhece esse posicionamento entre essas duas vidas. Quando vem o sofrimento, sabe questionar os porquês desse sofrimento em busca da felicidade. Para manter essa felicidade, renuncia aos seus comodismos, e, mantê-la, torna-se a razão de sua vida. Busca um trabalho digno que o enobreça. A felicidade torna-se presente sem prejudicar-se a si próprio e nem a terceiros. Este é o autêntico ser racionalista cristão, verdadeiro esteio do bem na luta contra o mal.

10 de setembro de 2007

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo