gazeta2.jpg (8041 bytes)

A ordenação física e espiritual na composição do Universo
Palestra dada na Filial de Belo Horizonte

Tathiana Moreira

 

No Universo grandioso e belo, cujos princípios fundamentais são Força e Matéria, nesse Cosmo Infinito encontra-se a Inteligência Universal em todas as coisas e seres na atuação da Força sobre a Matéria.

A consubstanciação da matéria se dá através da ação direta da Força na Matéria em si, ou Fluidos Astrais. O fluido é um estado da matéria assim como o sólido, o líquido, o gás e o radiante. Esses Fluidos se encontram na forma de nuvens de energia espalhadas pelo Universo as quais a ciência chamou de nebulosas, e nelas está o começo de todas as formas físicas conhecidas. Nas nebulosas são colocadas, pela Inteligência Universal, milhares de bilhões de pequeninas Partículas de Força, e são elas que atuam na formação da matéria. As Partículas geram uma força de coesão que une vários pacotinhos de energia para a consubstanciação do próton e do elétron e, assim, tomam posse do seu primeiro invólucro material que é o átomo de hidrogênio. A nebulosa se transforma em uma nuvem desses átomos que se atraem mutuamente, essa atração faz suas velocidades aumentarem e, ao colidir um hidrogênio com outro, liberar grande energia que provoca um aumento de temperatura na nebulosa que toma a forma de uma gigantesca bola incandescente e então damos a ela o nome de estrela. São nessas colisões que os núcleos de hidrogênio se fundem formando os átomos de hélio, que por sua vez vão colidindo e formando todos os outros tipos de átomos como o carbono, o ferro, o oxigênio. E as Partículas seguem sua evolução animando átomos cada vez mais complexos que podem se organizar na forma de agrupamentos atômicos, sem contudo formarem uma criatura diferenciada, visto que ao mudar o tipo de organização não perdem sua identidade individual, como se percebe nas reações químicas. Como tudo que é feito de matéria, as estrelas passam pela composição, estabilidade e decomposição, e é então quando o hidrogênio acaba e a estrela explode que são espalhados pelos arredores os elementos atômicos gerados durante sua vida.

Essa matéria pulverizada pelas estrelas, juntando-se a outras nuvens de hidrogênio, dará origem a novos planetas e sóis formando outros sistemas solares inteiros. Desta forma, a atmosfera do planeta, bem como todo ele, foram formados pelas partículas materiais que vieram das estrelas e dos outros mundos que o rodeiam trazidos pela Força. Isso porque a Matéria em si é um fluido cósmico que envolve os astros com diversas cores. E se as Partículas não se utilizassem dele os seres, animados ou não, pertencentes a um planeta, teriam a mesma cor, conformação fisiológica, consistência. Tais quais potes feitos do mesmo barro, porque eles, os potes, podem ter formas diferentes mas a cor e outras características serão diferenciadas apenas se o feitor acrescentar outras substâncias no barro. Assim sendo, tudo na Terra: o oxigênio que respiramos, o ferro que circula em nossas veias, a eletricidade e até o vento, que sentimos forte ou fraco limpando a atmosfera do planeta e escapando para o Espaço; tudo isso, que dá auxílio e vida ao mundo e seus habitantes, veio de outros lugares, de outros planetas e estrelas. Vêm também de fora os chamados ventos astrais que trazem de mundos mais evoluídos fluidos benéficos para auxiliar os planetas mais atrasados em sua evolução, e depois saem desses últimos levando seus fluidos para mundos ainda menos evoluídos também os auxiliando em seu caminho.

Os átomos, como se sabe, não se encontram parados e já que a matéria é inerte sabemos que a sua vibração provém da Força que atua em seu interior, nessa constante vibração é irradiada a energia que dá luz e forma a aura de todos os seres compostos por átomos. No reino mineral as Partículas não se encontram com uma definição individual apreciável, quer isso dizer que não existe uma Partícula que incita, por exemplo, uma rocha como um todo, ela mantém sua forma através de todas as forças de coesão provenientes de cada átomo que a compõe e, assim, para a aura de qualquer um dos componentes desse reino contribui a vibração de inúmeras Partículas. É por isso que um mineral ao se fragmentar, ou ao ser trabalhado pelo homem, sua aura continua sem nenhuma alteração no todo bem como nas partes desprendidas. Contudo a aura de um planeta é sua atmosfera, que se apresenta cinzenta, opaca, branca, diáfana e de luz de acordo com sua evolução que é a evolução de seus habitantes.

São essas Forças parceladas, atuantes nos minerais que compõem a Terra, que geram a força impulsionadora para execução de todos os movimentos realizados pelo planeta. Quando o mundo é agredido pelos homens, através do mau uso de seu livre arbítrio, são, também, elas que reagem contra essas agressões, provocando chuvas torrenciais, terremotos, vulcões, tornados e todos os fenômenos naturais e violentos, assustando-os e chamando-os para a realidade, pois cada agressão fica incrustada na aura do planeta, como um câncer sendo formado, e preciso se torna que essa energia negativa seja descarregada para libertar todo o planeta. Como quem o mal faz para si o está fazendo, é sob essas comunidades agressoras que recairá, com toda a sua fúria, a resposta da Natureza e por vezes provocando a desencarnação de várias pessoas de uma única vez.

E, finalmente, depois de passar por todos os tipos de átomos nas mais variadas organizações, em minerais, vegetais e animais, a Partícula está apta a animar o corpo de um ser vivo, e o primeiro a ser habitado pela jovem Força é o de um vírus. E, ao contrário do que ocorre no reino mineral, passa a atuar individualmente na animação de seu corpo através de fenômenos fisiológicos, direcionando a força de coesão, proveniente de outras Partículas que atuam nos átomos, para compor o dito corpo; e, assim, dar as formas várias aos diversos seres vivos que habitam o Cosmo Infinito. Na formação desses corpos físicos a Partícula se utiliza da matéria quintessenciada que traz de seu mundo de luz e da matéria existente na aura do planeta, que atrai de acordo com sua evolução, a que melhor lhe cabe. Mas à medida que evolui vai atraindo outros tipos de matéria que estão mais de acordo com a categoria alcançada e a matéria que constitui o seu corpo deixa de ser atraída e vai se desagregando e passa ao estado que lhe é próprio, e, levada pela lei da atração, mais tarde vai compor outros corpos idênticos a sua categoria. Essa substituição da matéria, nos corpos físicos, se dá em todos os reinos da Natureza porque todos estão em constante evolução e, assim, permanentemente atraindo uma matéria mais diáfana para que o corpo esteja sempre de acordo com a categoria alcançada pela Força. No momento em que esse corpo não lhe servir mais, a Partícula o abandona deixando que imperem as leis químicas e ele entra em estado de putrefação permanecendo assim até que essa matéria passe completamente para o estado fluídico e juntar-se à categoria de fluidos que lhe são afins neste planeta.

Temos em conta que somente em mundos inferiores e atrasados é que as Partículas da Inteligência Universal têm forma, têm corpo para assim poderem agir e trabalhar nessa atmosfera densa cumprindo seus deveres e promovendo a organização e o aperfeiçoamento em todos os reinos da Natureza e assim trabalhando em sua própria evolução. E, também, que essa evolução cabe somente à Força porque a matéria já existe em todas as categorias das quais se servem as Partículas. Assim se compreende que na Natureza nada se perde e não estaciona. O que acontece é uma eterna mutação entre as diversas formas existentes observando regiamente às leis naturais e imutáveis que governam o Universo e a elas tudo está sujeito. Por isso necessário se torna manter somente os pés no planeta e nos ligarmos a Inteligência Universal como parte integrante dela que somos.

 

Tathiana Moreira
Belo Horizonte, 2 de março de 2001

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo