gazeta2.jpg (8041 bytes)

Práticas

Como se inicia uma Casa Racionalista?

Uma Casa Racionalista inicia-se com o agrupamento de criaturas esclarecidas, dentre as quais haja uma disposta a assumir a responsabilidade de ser correspondente do Centro Redentor. Essa pessoa escreve à Casa Chefe, expondo os anseios espirituais do grupo, e esta manda-lhe uma ficha confidencial para preencher e devolver, com retrato 3x4. Essa pessoa deve ser honrada e não ter vícios. Uma vez aceito como correspondente, passará a realizar sessões públicas de Limpeza Psíquica às segundas, terças, quartas e quintas- feiras, das 20 às 20:30 hs, sendo 15 minutos para as irradiações e 15 minutos para a leitura de comentários; e, no segundo sábado de cada mês, pela manhã. O acatamento da disciplina para a realização das sessões encontra-se no livro "Prática do Racionalismo Cristão" e estas sessões são tão somente praticadas nas Casas Racionalistas.

Posteriormente este correspondente pode elevar-se a Filiado.

Referência: Prática do Racionalismo Cristão.

O que significa a Limpeza Psíquica?

Os espíritos componentes do astral inferior dividem-se em muitas classes, sendo a mais baixa constituída de elementos de ínfima condição moral. Em conseqüência desse estado, estão muitos deles envolvidos em matéria fluídica densa, impregnada de miasmas de moléstias e de substâncias putrefatas, próprias do meio em que permanecem, em obediência à lei de atração. As vibrações dos pensamentos da maioria de tais espíritos são de ordem sensualista, animalizada, predominando o sentimento de malquerença, de ódio, de inveja, de vingança e outros do mesmo gênero. Quando o ser encarnado se descuida e emite pensamentos que se identifiquem com os baixos sentimentos dessa classe de obsessores, atrai um ou mais de tais elementos para a sua companhia e absorve parte de seus fluidos inferiores, juntamente com a correspondente carga pestífera que conduzem. É esse o motivo para se adotar a prática da Limpeza Psíquica pelo Racionalismo Cristão.

A Limpeza Psíquica é uma medida do mais alto valor e é necessária que seja feita diariamente, duas ou mais vezes, e em todas as ocasiões em que o indivíduo perca o controle e se exalte ou sinta o desejo de proferir expressões contundentes ou agressivas, devendo sempre evitar estas atitudes. Não tendo esse cuidado, seja por desconhecimento, negligência ou comodismo, fica a criatura sujeita a adquirir enfermidades, sofrer acidentes, desencarnar prematuramente ou passar por alterações mórbidas no seu estado psíquico. A lei de causa e efeito impera, inexoravelmente.

A Limpeza Psíquica é realizada nas Casas Racionalistas em sessões públicas às segundas, quartas e sextas-feiras e em sessões particulares, às terças e quintas-feiras. Além disso, os auxiliares, militantes e conhecedores da doutrina, praticam-na em lares, em horas previamente estabelecidas, para a higienização do ambiente doméstico. Essa prática de higiene mental consiste nas Irradiações, que são vibrações do espírito, com as quais se opera o afastamento dos espíritos do astral inferior para fora da atmosfera da Terra. Esse afastamento é produzido por espíritos do Astral Superior que, em entrosamento com pensamentos disciplinados de seres de boa vontade, em exercício mental nas Casas Racionalistas, ou em colaboração com estas, operam a Limpeza Psíquica.

Esta Limpeza Psíquica está para o espírito como a higiene física está para o corpo carnal. Por isso O Racionalismo Cristão a aconselha todas as pessoas para que, por meio de um viver disciplinado, metódico e consciente, tenham equilíbrio espiritual e físico.

Referência: Prática do Racionalismo Cristão

Como deve ser feita a Limpeza Psíquica?

Torna-se necessário um preparo mental antes de se proceder à Limpeza Psíquica. Esse preparo consiste em desligar-se mentalmente de pessoas e fatos, elevar os pensamentos ao Astral Superior e irradiar, sentir bem o que as palavras das Irradiações proferidas e mentalizadas significam.

Deve-se fazer a Limpeza Psíquica durante 5 minutos, às 7 e às 20 horas. Não sendo possível dar preferência ao horário acima indicado, escolha-se a hora mais apropriada, imposta pelas condições de trabalho.

Os que não puderem irradiar em conjunto, irradiem mentalmente dentro do horário estabelecido ou escolhido, estejam onde estiverem. As irradiações devem ser feitas em todas as ocasiões em que a pessoa perca o controle e se exalte, ou sinta o desejo de proferir expressões contundentes ou agressivas, o que deve sempre evitar. Deve também ser feita no ambiente de trabalho, quando em viagem e em qualquer situação de perigo ou discussões.

A Irradiação "A" é feita uma vez, e a "B" é feita durante cinco minutos.

Irradiação "A"

Ao Astral Superior:

Grande Foco! Força Criadora!

Nós sabemos que as Leis que regem o Universo são naturais e imutáveis e a elas tudo está sujeito!

Sabemos também que é pelo estudo, o raciocínio e o sofrimento derivado da luta contra os maus hábitos e as imperfeições que o espírito se esclarece e alcança maior evolução.

Certos do que nos cabe fazer e pondo em ação o nosso livre arbítrio para o bem irradiamos pensamentos aos espíritos superiores para que eles nos envolvam na sua luz e fluidos fortificando nos para o cumprimento do nosso dever.

Irradiação "B"

Grande Foco! Vida do Universo!

Aqui estamos a irradiar pensamentos às forças superiores para que a luz se faça em nosso espírito e ele tenha a consciência dos seus erros a fim de repará-los e evitar o mal.

O que significam as irradiações realizadas durante a Limpeza Psíquica?

Como é sabido, pensamentos são vibrações e, portanto, irradiações. O espírito, quando pensa, emite vibrações. Assim, quando se pensa em determinado lugar, essas vibrações são emitidas naquele sentido, o mesmo acontecendo sempre que se focalize a imagem de uma pessoa. No Racionalismo Cristão as duas irradiações regimentais são dirigidas ao Astral Superior (Região onde se encontram Espíritos Superiores) e captadas por esses Espíritos Luminosos que dirigem as suas correntes. Elas servem para estabelecer contato e formar campo magnético a essas vibrações espiritualizadoras.

Irradiação "A":

"Ao Astral Superior, Grande Foco, Força Criadora", são expressões que definem a direção das Irradiações, sendo que o Astral Superior é toda região vibratória acima do astral inferior. Grande Foco e Força Criadora são o símbolo do luminoso Poder Criador Absoluto, do qual todos os seres são partículas integrantes, dispondo, por isso, de capacidade de vibração harmônica e sincronizante com aquele Foco, ao qual estão permanentemente ligados os Espíritos do Astral Superior, por vibrações concordantes.

"Nós sabemos que as leis que regem o Universo são naturais e imutáveis e a elas tudo está sujeito".

É uma afirmação peremptória, indicativa de que os que irradiam estão esclarecidos sobre a Verdade e sustentam que no Universo não há o acaso, porque todos os fatos obedecem a uma ordem geral, segundo determinações prévias de causa e efeito. Logo o que acontece tem sua razão de ser, clara ou oculta, contra a qual ninguém se deve rebelar, tanto mais que as leis que regem o Universo foram traçadas somente para o bem, para o progresso, para a evolução, muito embora, aparentemente pela dor incompreendida, possa parecer que o sofrimento seja um ato inconseqüente.

"Sabemos também que é pelo estudo, o raciocínio e o sofrimento derivado da luta contra os
maus hábitos e as imperfeições que o espírito se esclarece e alcança maior evolução".

Ninguém pode prescindir das questões espirituais, aplicando nelas o raciocínio bem conduzido, se quiser ser alertado sobre as ilusões do viver terreno e, deste modo, precaver-se de andar por mal caminho. É pelo sofrimento, derivado do esforço que cada um terá que fazer para não se aproveitar das facilidades criminosas que o possam beneficiar, que o espírito consegue aumentar o seu acervo espiritual, manifestado em esclarecimento progressivo e conseqüente evolução.

"Certos do que nos cabe fazer"

É a declaração que traduz o senso de responsabilidade no que concerne ao cumprimento dos deveres cotidianos, o qual deve ser revelado com a maior compreensão, exemplarmente, como satisfação que se deve dar à própria consciência.

"E pondo em ação o nosso livre arbítrio para o bem."

É o compromisso que o ser assume, consigo mesmo, de não praticar o mal, visto que, sem este propósito, as portas por onde penetram os maus pensamentos não estarão fechadas. O livre arbítrio foi concedido ao ente raciocinante com o fim de ser aplicado para o bem, mas é por falta de esclarecimento espiritualista que os desvios ocorrem e os delitos aparecem; ninguém pode defraudar, sem arcar com as penosas conseqüências da lei suprema da liberdade, da lei do livre arbítrio

"Irradiamos pensamentos aos Espíritos Superiores"

Desde que o objetivo é o de estabelecer contato com o Astral Superior, é aos Espíritos de Luz, ali sediados, que as irradiações se dirigem; pouco importa quais sejam, porque qualquer deles está animado de um só desejo, que é o de promover a evolução; este ponto comum une todos os que estiverem integrados nas correntes do bem, e por isso são as irradiações proferidas, elos de ligação às forças espirituais.

"Para que eles nos envolvam na sua luz e fluidos"

Assim como a limalha do ferro, atraída pelo imã, fica debaixo de sua ação magnética, os seres, unidos por vibrações aos Espíritos Superiores, ficam, igualmente, sob a ação de sua luz e fluidos, mas é necessário não esquecer que todos são partículas integrantes da Força Universal, e que quanto mais evoluídas forem essas partículas, maiores poderes espirituais podem ser revelados. É o caso dos espíritos superiores que dispõe de Força suficientemente desenvolvida para transmitir aos semelhantes as suas vibrações benéficas, em forma de luz e fluidos.

"Fortificando-nos para o cumprimento dos nossos deveres"

O desejo manifesto de cumprir os deveres que ao indivíduo assiste, é acatado com maior respeito pela consciência emanante, por se achar enquadrado nos dispositivos das leis naturais e imutáveis, e merecer, por isso, fraternal apoio. O empenho, que cada um deve conservar, no sentido de dar o melhor cumprimento possível aos deveres, deverá ser uma aspiração constante que se reafirma em cada irradiação proferida, e que tem o dom de fortificar o espírito na luta pela vida.

Irradiação "B"

"Grande Foco, Vida do Universo"

Esta invocação alerta o ser para a realidade do fato de que a Força Criadora também é vida e, como tal, penetra todo o Universo; a vida está realmente em toda parte, e aquilo a que se dá o nome de morte é, apenas, uma transformação nas condições do corpo material que passa aos domínios das leis químicas, decompondo-se, quando a força (o espírito) o deixa. Vida do Universo é, pois, uma expressão que afirma ser o Universo cheio de intensa Vida emanante do Grande Foco.

"Aqui estamos a irradiar pensamentos às Forças Superiores para que a luz se faça em
nosso espírito e ele tenha a consciência dos seus erros, a fim de repará-los e evitar o mal.

Sabe-se que o desejado esclarecimento dá a cada um a consciência dos seus erros, das suas faltas, das suas imperfeições, como ponto de partida para a reparação dos mesmos e para evitar que eles se repitam.

Referência: A Felicidade Existe, Luiz de Souza.

Conforme se vê, as irradiações não são um agrupamento de palavras para serem repetidas maquinalmente, mas encerram um elevado sentido espiritual e concentram, em síntese na sua essência, um resumo doutrinário, que se poderia dizer instantâneo, do Racionalismo Cristão. Não seria possível dizer mais em tão poucas palavras, para que bem possam ser conservadas na memória. Faça-se na vida prática o que elas indicam, e tudo irá bem. Quando as irradiações se elevam com convicção, atingem, invariavelmente, a meta, e as Forças receptoras a que são dirigidas captam as suas ondulações, inteirando-se da marcha dos acontecimentos. Conquanto não sejam rezas ou orações, são no entanto manifestações de almas que se procuram corresponder, principalmente quando no desempenho de trabalhos ou missões. Veja-se, ainda nas Irradiações, um método disciplinar de se obter a limpeza psíquica e de manter-se o espírito liberto de influências más. As suas palavras, uma vez pensadas, transformam-se em vibrações, em energia, e a energia pode ser considerada uma força em potencial. A sua aplicação se faz na consolidação das correntes fluídicas e magnéticas que se entrelaçam umas com as outras, tanto as que se formam com as irradiações dos seres encarnados, como as que se estabelecem, nos mundos de luz, pela coordenação dos Espíritos Superiores. Ambas se atraem e se unificam para um mesmo fim, inclusive a sustentação dos princípios codificados pelo Racionalismo Cristão.

Sem necessidade de fazer nenhum apelo, formular qualquer pedido, numerosas pessoas filiadas à Doutrina, conhecedoras dos efeitos das Irradiações, têm-se livrado de situações angustiantes, em momentos aflitivos, pela intervenção oportuna e imediata de Poderes Espirituais ocultos. Não ocorre, nestes casos, nada de sobrenatural, como poderá parecer aos limitados cultivadores da fé; são efeitos das leis de atração, movidas pela força do pensamento, em ligação permanente com as correntes do bem. Um poderoso desejo superior que vibra em consonância com as leis do progresso, da evolução espiritual, atende aos casos em que as vibrações aspirantes se entrosam com a sua ciclagem. Quando esse fenômeno se opera, dá-se a transformação, pela ordem natural dos fatos espirituais.

Os Espíritos Superiores não têm dificuldade para ajustar as suas forças pensantes às vibrações do Poder Supremo, quando fica o impossível reduzido à nada. Entretanto, essas forças pensantes são controladas pelo próprio ente das quais emanam, de maneira a não alterar a marcha normal dos acontecimentos e a lei de causa-e-efeito. As irradiações revelam o estado da alma de cada ser, no momento em que são feitas. Todo interior da criatura é devastado, então, pela visão penetrante do Astral Superior, que dispõe de grande sabedoria que lhe permite agir, não de acordo com a vontade terrena, mas com as conveniências espirituais, que visam sempre à melhor solução.

As irradiações têm um valor inestimável. Vale à pena participar delas, nas horas em que são emitidas pelas Casas Racionalistas. O seu uso deve ser regular, e feito com a consciência do que se está fazendo. Elas constituem elo de ligação com as Forças Superiores, e ninguém pode prescindir dessa união espiritual, se quiser vencer na Terra os obstáculos da vida material à sua evolução, como esclarece o Racionalismo Cristão. A sua repetição, durante alguns minutos, impõe-se para permitir a fixação e coordenação dos pensamentos da coletividade envolvida, dando oportunidade ao Astral Superior para exercer uma série de atividades relacionadas com a purificação do ambiente, de maneira a se estabelecerem condições propícias ao desempenho dos trabalhos espirituais.

Água fluídica preparada no lar.

Coloca-se em uma ou mais vasilhas, a quantidade de água que se deseja fluidificar, fazendo em seguida, uma ou mais pessoas, as irradiações ao Astral superior e ao Grande Foco, por cerca de dois minutos.

As pessoas enfermas deverão tomar um cálice desta água de hora em hora, e bebê-la, sempre que tiverem sede, podendo também ser usada, externamente, para lavar ferimentos ou em compressas, fria ou amornada em banho-maria. As pessoas sadias poderão tomá-la também como se fosse água comum. Esta água não pode ser fervida. Ela é preventiva e benéfica, podendo ser tomada sem restrição alguma. Pelo fato de conter fluidos lançados pelo Astral Superior, alivia ou neutraliza certos males, por meio desses fluidos.

Referência: Prática do Racionalismo Cristão

O que é a obsessão?

Na grandiosa obra da Inteligência Universal ¾ Grande Foco ¾ tudo se encadeia num sentido harmonioso. Nas sábias leis que conduzem a perfeição e tudo produzem, desde os insignificantes grãos de areia aos grandes planetas dispersos no infinito, constituindo o Universo, tudo toma o estado preciso ao meio e às correntes fluídicas, para o estabelecimento de uma vida em harmonia com as irrevogáveis leis da natureza.

As Leis do Universo, de elevadíssima sabedoria que surpreendem o homem, encerram todos os segredos, estabelecem todas as verdades, confirmam todas as ciências e explicam todos os fenômenos. No estudo destes princípios, é mister compreender que novas causas, novos efeitos cercam incessantemente o estudioso, envolvendo-o em estranhos pensamentos e ligando-o, por inúmeros fios condutores, a todos os seres inteligentes, corpóreos e incorpóreos, transmitindo-lhes descargas fluídicas e impressões do mundo espiritual, e se sua imperfeição não fora tanta, ele sentiria melhor as vibrações do bem e repeliria as vibrações da perversidade.

A obsessão é, pois, sem a mínima dúvida, o resultado da ação de pensamentos maus, por meio dos quais são atraídos espíritos do astral inferior que envolvem o paciente, subjugando-o e impondo-lhe a sua vontade. É pelo meio em que vive o encarnado e pelas suas fraquezas e vícios e falta de moral que ele se torna um imã de atração dos espíritos que, por ignorância ou perversidade permanecem na atmosfera da Terra.

Em decorrência desta atração, começam os espíritos obsessores a fazer sentir, pouco a pouco sua influencia, que se reflete na aura da vítima, impregnando o seu perispírito de fluidos danificadores, até estabelecerem pleno domínio e ação sobre ela.

Perturbado completamente o espírito da vítima, o obsessor toma conta dela, passa a influenciá-la, a intuir-lhe cismas e manias perturbadoras, e é assim que se opera a obsessão.

A obsessão dos seres humanos é mais comum do que se calcula, e isto porque não estando a humanidade devidamente esclarecida, não conhecendo a ação do pensamento e os seus efeitos e ignorando até mesmo, a existência dos espíritos do astral inferior, que agem com força altamente maléfica, não está em condições de livrar-se das correntes do mal, o que só seria possível por meio de uma reação inteligente.

Referência: Prática do Racionalismo Cristão".

Quais são os sinais iniciais de obsessão?

  1. Tendência para rir sem motivo, ou a pretexto de coisas fúteis;
  2. Manifestação de cacoetes;
  3. Vontade de chorar, sem razão plausível;
  4. Comer exageradamente;
  5. Estar sempre com sono;
  6. Sentir prazer na ociosidade;
  7. Exteriorização de manias;
  8. Idéias fixas;
  9. Fazer gracinhas tolas;
  10. Amofinar, persistentemente o próximo;
  11. Repetir, mecanicamente o mesmo dito;
  12. Extremar-se nas paixões;
  13. Alimentar prevenções descabidas;
  14. Casmurrice;
  15. Práticas viciosas;
  16. Atos de ostentação;
  17. Explosões temperamentais;
  18. Mistificação;
  19. Hábito de mentir;
  20. Expressar-se licenciosamente;
  21. Revelar covardia;
  22. Usar palavrões;
  23. Demostrar fanatismo;
  24. Gesticular e falar sozinho;
  25. Ser sistematicamente importuno;
  26. Ouvir e ver coisas fantásticas;
  27. Gastar acima do que deve e pode;
  28. Mania de queixar-se de suas obrigações no lar e no trabalho;
  29. Abandonar os imperativos deveres caseiros, ausentando-se do seio da família;
  30. Viver num mundo distante, sonhadoramente;
  31. Provocar discussões, constantemente.

Referência: Prática do Racionalismo Cristão.

O que é e como se procede a desobsessão?

A desobsessão é feita com os melhores resultados nas Sessões de Limpeza Psíquica realizadas nas Casas Racionalistas Cristãs. Além de sua presença nas sessões de limpeza psíquica realizadas às segundas, quartas e sextas-feiras no período das 20 às 21 horas, é necessário seguir a disciplina em casa, com o apoio dos familiares. A desorganização celular provocada pelo obsessor foi grande, e há necessidade de retornar o equilíbrio às unidades desajustadas do organismo. Nesse estado, se não puder contar em sua casa com pessoas que o assistam, aplicando a disciplina e a correção aconselhadas pela doutrina, está sujeito a atrair outro obsessor, dos milhões que existem na superfície da Terra e em sua atmosfera, dificultando ou impossibilitando sua normalização. No entanto, se as pessoas de casa ajudarem, fazendo as irradiações em torno do obsedado, duas vezes ao dia, durante cinco minutos, sacudindo-o durante essas irradiações, rapidamente se operará a sua desobsessão, se o estado de inquietação do enfermo não tornar necessárias outras disciplinas.

Os obsedados alimentam, em regra, os desejos dos obsessores, que são de comida forte e excitante, razão pela qual lhes deve ser ministrado, durante o tratamento, um regime alimentar de convalescente, que os obsessores detestam. Não esquecer que os espíritos das camadas mais baixas do astral inferior conservam os mesmos costumes e vícios que tinham quando encarnados Assim, para alimentarem as exigências do seu eu materializado, que intensamente sentem, apegam-se e unem-se fortemente aos encarnados afins que os possam saciar, ainda que ilusoriamente. No tratamento da obsessão, esta particularidade não pode ser esquecida. Os obsedados devem continuar o tratamento até ficarem normalizados, comparecendo às Sessões de Limpeza Psíquica. Nestas sessões vão ouvindo as doutrinações e, não obstante o seu estado ainda de perturbação ou de desajustamento, alguma coisa do que ouvem fica gravada no seu perispírito, produzindo efeitos benéficos. Os seus acompanhantes também vão adquirindo, por esse meio, conhecimentos que os habilitam a prosseguir no tratamento da desobsessão em casa.

Os milhões de obsessores que povoam o astral inferior têm, cada qual, as suas preferências e escolhem as vítimas encarnadas de acordo com a afinidade que sentem por elas ou os sentimentos que a animam em relação a essas mesmas vítimas Os pensamentos afins são sempre o imã de atração. As vibrações harmônicas do obsessor e do obsedado conjugam-se, fundem-se, ajustam-se e se encaixam de tal maneira uma na outra, que se torna difícil a separação. Depois de desobsedado, limpo psiquicamente, é preciso fortificar não só o espírito, mas também o corpo, danificados ambos pelos maus fluidos e grande perda de energia anímica, o que se consegue pela reeducação da vontade e disciplina de pensamento. O bom êxito deste período de desobsessão é mais difícil de ser alcançado, por depender da reeducação da vontade do normalizado e da reação contra novas obsessões. Os vícios provocados pelos obsessores ficam tão arraigados em seu espírito que só os deixa a muito custo. Sob a influência desta disciplina, começa o normalizando a raciocinar e a dominar os vícios próprios e aqueles que foram desenvolvidos pelos obsessores, e quando se lhe tornar fácil este domínio, não mais se deixará obsedar.

A normalização das crianças se fará desobsedando e esclarecendo os pais com quem convivem, levando-as, assiduamente, às correntes fluídicas das Casas Racionalistas. As crianças também se normalizam com a mudança de ambiente, quando retiradas do meio em que agem os espíritos do astral inferior (atraídos pelos vícios e maus pensamentos dos adultos), para outro em que o viver mais ameno seja pautado pelos princípios que a obra "Prática do Racionalismo Cristão" explana.

Como se processa a normalização de obsedados onde não
existirem filiados ou correspondentes do Centro Redentor.

Pode-se normalizar o obsedado na sua própria casa ou, melhor ainda, em casa isolada, afastado da família, porque quanto mais isolado ele ficar, mais facilmente se normalizará, desde que haja ao seu lado uma pessoa calma, de vontade forte, conhecedora dos ensinamentos constantes deste livro e que os pratique à risca, sem vacilações ou esmorecimento.

Essa pessoa preparada e convicta do seu dever para com o obsedado, deverá ler atentamente o capítulo II, do livro "Prática do Racionalismo Cristão", para melhor se interar da disciplina a seguir e aplicá-la durante a sessão de desobsessão.

O seu trabalho será mais facilitado se organizar uma corrente fluídica que facilite a atração de Espíritos Superiores para a sua assistência e do enfermo. Neste caso deverá procurar seis ou mais pessoas adultas, de boa moral, para a organização da Corrente. Após a constituição da corrente fluídica, todos devem estar cientes e conscientes do dever a cumprir. O responsável iniciará a Limpeza Psíquica da seguinte maneira:

O aposento destinado ao obsedado furioso e violento deverá ter janela gradeada e porta bastante forte. Em outro compartimento próximo colocará uma mesa também forte, e junto a esta, as cadeiras para se sentarem as pessoas que formam a corrente.

Na última dessas cadeiras ficará colocado o obsedado, e ali ficará até findar a Limpeza Psíquica, depois da qual deverá ser logo retirado para o seu aposento. Nesse aposento não deverá existir nenhum objeto com o qual ele possa se ferir ou praticar depredações.

Antes de começar o processo de desobsessão, deve a pessoa incumbida dessa disciplina procurar mais duas ou três pessoas fortes, calmas, que não se perturbem e colocá-las atrás do obsedado ficando estas bem atentas para segurá-lo fortemente, se for preciso, até que a limpeza psíquica seja terminada.

O obsedado, desde o início, deve ser dominado por completo e obrigado a conter-se para convencer-se de que não lhe é permitido ter vontade para o mal e sinta a necessidade de reagir contra os obsessores e os seus vícios e fraquezas.

É para isso que se exigem pessoas calmas, de vontade forte e capazes de o obrigarem a manter-se dentro da disciplina e a fazer tudo quanto é indicado nesta obra para a sua completa normalização.

Iniciada a limpeza psíquica com as irradiações mencionadas na primeira parte deste livro, todos os presentes acompanham as irradiações mentalmente, e num ambiente de inteira calma e elevação espiritual, sem que se dê a menor importância ao que disser ou fizer o obsedado. O Presidente mandará sacudir a todos, por três vezes, inclusive o obsedado, este um pouco mais forte que os demais.

As irradiações deveram ser feitas durante 15 minutos, e no começo de cada uma delas, já depois de haver sido sacudido fortemente o obsedado , nas três primeiras, continuará ele a ser sacudido, porém mais brandamente.

Antes de dar a Limpeza Psíquica por encerrada, o Presidente pede para sacudir novamente a todos, inclusive o obsedado, por mais três vezes, este sempre mais fortemente, determinando que lhe dêem água. Se ele não quiser tomá-la, é preciso obrigá-lo à bebê-la, servindo-se de um copo de plástico (nunca copo de vidro ou de barro). Para o encerramento da Limpeza Psíquica, o Presidente faz a irradiação "Grande Foco" e logo em seguida o obsedado deve ser conduzido ao aposento, onde deverá ficar impedido de falar com pessoa alguma, além da que lhe servir de enfermeiro. Outras pessoas só entrarão no quarto destinado ao obsedado quando requisitadas pelo enfermeiro.

A Limpeza Psíquica deverá ser realizada todos os dias, às 7 e às 20 horas em ponto.

Após a Limpeza Psíquica, cumprem-se rigorosamente, as regras disciplinares exaradas nesta obra, impondo-se ao obsedado a observância disciplinar de horas certas, inalteráveis, de acordo com o seguinte regime:

  1. Levantar e tomar banho às 6 horas.
  2. Fazer, a seguir, a primeira alimentação, sem usar chá da índia, café, chocolate ou qualquer bebida excitante.
  3. Assistir a limpeza psíquica, às 7 horas.
  4. Se estiver em condições, trabalhar manual ou mentalmente, das 8 às 9:30 h. como meio de auxiliar na reeducação, já que a ociosidade concorre para agravar a obsessão.
  5. Almoçar, das 11 às 12 horas.
  6. Descansar, das 12 às 13 horas e, se dormir, não acordar.
  7. Continuar o trabalho mental e manual até uma hora antes do jantar.
  8. Jantar às 18 horas.
  9. Assistir à Limpeza Psíquica, às 20 horas.
  10. Tomar qualquer alimento leve às 21 horas, deitando-se em seguida, para dormir. Antes de o obsedado adormecer, devem-se fazer as irradiações perto dele, ou nas proximidades do aposento, quando estiver muito agitado, é preciso, porém, que não se abuse das irradiações, evitando faze-las a qualquer pretexto.
  11. Além deste regime imposto ao obsedado, é necessário observar mais o seguinte:
  12. Educá-lo desde o primeiro dia com enérgica e intransigente repressão aos vícios que tiver, como fumar, ingerir bebidas alcoólicas, comer coisas de seu especial agrado, mas prejudiciais, falar dos outros ou cometer qualquer ação que esteja em desacordo com os Princípios constantes do livro "Racionalismo Cristão", Capítulo 19.
  13. Ocupá-lo com qualquer trabalho manual ou mental, de maneira a prender a sua atenção às coisas úteis, durante as horas a isso destinadas, deixando-o dormir à vontade quando tiver sono, até ficar mais calmo.
  14. Corrigi-lo e, se for necessário, manietá-lo, até que se convença de que não se deve deixar atuar a ponto de ficar furioso e de não respeitar as demais pessoas.
  15. Tais obsedados devem ser contrariados em tudo que não seja racional, para se irem educando e convencendo de que só podem ter vontade as criaturas normais.
  16. O obsedado deverá afastar-se da sociedade, não podendo receber visitas enquanto não der provas de estar normalizado, sua alimentação deve ser sadia, beberá somente água fluídica e, em estado de lucidez, copiará trechos dos livros "Cartas Doutrinárias" e "Racionalismo Cristão", para raciocinar sobre o que for escrevendo. Caso seja analfabeto, a pessoa que lhe estiver servindo de enfermeiro o irá esclarecendo sobre os princípios "Racionalistas Cristãos".
  17. A normalização dos obsedados poderá ser feita em qualquer parte, pela educação da vontade, remodelação dos maus hábitos e de todos os vícios, que são causa da atração dos espíritos obsessores.
  18. Tais normalizações só se conseguem, no entanto, pelo método presente, quando empregados por pessoas de boa vontade e esclarecidas, que procuram seguir à risca os ensinamentos exarados nesta e nas demais obras editadas pelo Centro Redentor. Fora disso, o tempo é perdido, é concorrer para aumentar o mal do obsedado, visto que o ser conforme pensar assim será, e quem não pensa ou pratica o bem não pode normalizar pessoa alguma.
  19. Cumpre, ainda, observar que os pensamentos das pessoas que convivem com os obsedados não devem, de modo algum, ter ligação com o estado do mesmo. Nada de pensar em doenças.
  20. O isolamento do obsedado muito facilita a sua normalização sendo mesmo indispensável para que ela se faça por completo. Quando já puder raciocinar, deverá ser doutrinado constantemente sobre as causas da obsessão e os meios que foram empregados para normalizá-lo, a fim de aprender a repelir outros obsessores, pela própria vontade e pensamentos. É através dessa educação metódica e perseverante que o espírito do obsedado vai corrigindo as suas fraquezas e vícios, e aquele que se rebelar contra ela demonstra que deseja continuar a pensar o mal e a conviver com espíritos do astral inferior.
  21. O educador deve fazer sentir ao educando que o seu espírito está viciado, e que para evitar e corrigir vícios, impõe-se o trabalho, a disciplina, a ordem e a correção.
  22. O obsedado dá sinais de convalescença quando começa o dormir por longos períodos, a ter saudades das pessoas, o que prova o despertar do espírito e a sua libertação dos obsessores.
  23. Enquanto não dormir bem e não despertar nele os sentimentos afetivos, demonstra estar ainda obsedado, sob o domínio dos espíritos do astral inferior.
  24. Qualquer ato violento do obsedado deve ser reprimido, na mesma ocasião, para que contenha os seus ímpetos animalizados, que são a causa desse estado furioso.
  25. O obsedado sabe tudo o que faz, não se esquece de coisa alguma que com ele se passa, mesmo durante o período agudo de obsessão, e sentem prazer em conviver com os espíritos do astral inferior e fazer o que os obsessores lhe intuem. É por isso que se deve, desde o primeiro dia, fazer-lhe sentir os erros e os vícios que o atiram nas garras de espíritos do astral inferior, nas quais se conserva porque se sente bem, em conseqüência do seu errado viver.
  26. O que sirva de enfermeiro de tais anormais precisa ter uma vontade fortemente educada para o bem, deve ser enérgico mas não violento para com o obsedado, procedendo com muita calma e paciência, sem desejar milagres, porque estes não existem, e sabendo esperar o tempo necessário para que pouco a pouco, o espírito do obsedado se vá convencendo da má educação que teve e precisa corrigir.
  27. Durante a normalização, o enfermeiro deverá proporcionar ao obsedado a leitura de obras esclarecedoras editadas pelo Centro Redentor, e manter com eles palestras úteis.
  28. Por mais alta que seja a posição do obsedado, tem ele que se submeter integralmente sem condescendência, à disciplina racional e científica aqui exarada.
  29. Assim é preciso, para ir adquirindo a convicção do que é a vida real, para qual todos os seres vêm a este mundo, e que o luxo, a indolência, a pretensa superioridade, a aristocracia, a vaidade são causas da obsessão, que devem ser combatidas tenazmente, de maneira a cristianizar o espírito e que cada um deve ficar apto para tudo fazer, sem pensar que o ser humano desce da sua dignidade quando executa serviços humildes.
  30. Convencido o obsedado de que o ser humano, rico ou erudito, encarna e desencarna como toda gente, e como toda gente deve viver lutando, sem que o trabalho humilde se lhe apresente como desdouro e, ainda, compenetrado de que a superioridade do espírito só se revela através da sua grandeza moral e do amor ao trabalho, facilmente se normalizará e não tornará a ficar obsedado.

Referência: Prática do Racionalismo Cristão

Colaboração de Jorge Fares, 1 de abril de 2001

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo