gazeta2.jpg (8041 bytes)

A ti mulher, a ti mãe querida

Aida Almeida Lopes da Luz 

 

Quantos nomes e adjetivos te poderíamos dedicar!...

Antes de mais foste filha, bebê, ansiado ou não, mas que certamente te serviu para o arranque da continuação do teu processo evolutivo.

Em teu mundo de luz escolheste ser Mulher e, como tal, grande tarefa trouxeste contigo, principalmente o seres Mãe e dedicares teu amor à prole que virias a ter a possibilidade de criar no seio do teu próprio lar.

Muitas vezes, porém, os caminhos são tortuosos e vários condicionamentos te impedem de conseguires atingir os teus objetivos.

Porém, tendo sempre discernimento para cumprir, o mais possível, a jornada terrena, muitas formas terás de te realizar como tal.

Antes de mais terias de ser criança e deverás ter sido guiada pelos teus progenitores. Quando se nasce no seio de uma família racionalista cristã, claro está que se torna mais fácil percorrer o longo percurso que se depara à tua frente. Mais difícil é, pois, quando se nasce numa família sem qualquer esclarecimento da nossa Doutrina.

Quando o ser consegue despertar, pode até dar uma virada completa à sua vida, já que tem em si implantados valores que, se procurar analisá-los, no seu interior, e, refazendo a sua vida anímica sempre que vai a seu Mundo de Luz, não se desviando do caminho da boa conduta moral, respeitando todos os outros valores já conseguidos em encarnações pretéritas, vai sempre andando em frente, ultrapassando barreiras e adquirindo mais pontos a adicionar ao seu acervo espiritual.

Pode até conseguir ajudar a esclarecer aqueles que do seu agregado familiar fazem parte. Contudo, é sempre bom ter em atenção que, numa família, podem existir espíritos de diversos graus de evolução. Daí, nem todos terem, muitas vezes, as mesmas afinidades e se comportarem nos mesmos moldes uns dos outros.

Assim, é mais difícil caminhar e, muitas vezes só com a formação da sua própria família, o ser consegue seguir mais rapidamente o caminho traçado antes de encarnar.

Portanto a Ti Mãe, se ainda fores jovem, raciocina e procura fazê-lo o melhor possível, a fim de traçares teu futuro caminho, com serenidade mas com determinação e discernimento ativo, estando sempre desperta para os embates que tiveres de enfrentar, sendo boa guardiã e ao Mundo, mais tarde, poderes legar um bom Patrimônio, constituído por filhos bem formados, em todos os níveis, que possam dar continuidade à tua obra.

No caso de seres Mãe adulta, já contando com uma certa idade, dá-lhes o carinho, a tua imparcialidade, a tua experiência, não lhes destruas as esperanças mas controla-lhes os impulsos, que podem mais tarde causar-lhes graves problemas, dando-lhes teu conselho amigo e sempre oportuno, não admitindo falsidades, injustiças, desonestidades e outros valores negativos.

Porém, procura compreendê-los, não esquecendo de lhes estender a mão, mesmo quando tiverem errado, porque é nessas alturas que mais precisam do teu amor e carinho. Faz por despertar neles o senso da responsabilidade.

Como são quatro as estações da vida, esperamos que da idade madura passes à velhice, e aí tenhas a oportunidade de te regozijares em ter filhos saudáveis em todos os aspectos e poderes desfrutar da companhia dos netos a quem possas ajudar a educar e moldar. Mas, nunca desesperes, se algum não for como desejarias, tem em conta o que atrás focamos, cada família pode ter membros de diversos graus de evolução.

Se por adversidades da vida não pudeste ser Mãe, lembra-te que há sempre uma criança que precisa de um lar, de um colo materno, enfim, uma criança que pode e tem o direito de ser adotada.

Se não casaste ou se teu casamento não deu certo, ou mesmo se enviuvaste, quem sabe não possas ser a Mãe de tantas crianças de aldeias S.O.S., orfanatos e outras Instituições afins.

É a todas as Mulheres pois, Mães na essência, que nos queremos dirigir.

Para todas elas, sem exceção, merecedoras do nosso amor, do nosso carinho, da nossa gratidão, por tantas noites mal dormidas, por tanto que deram de si, tendo, tantas vezes, tão pouco recebido em troca, por tanta generosidade demonstrada ao longo de suas vidas, um muito obrigado em nome de todos os filhos e netos.

Para todas as Mães do Mundo nossas felicitações pelo dia de hoje.

 

Aida Almeida Lopes da Luz - Portugal, em 11 de maio de 2003

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo