gazeta2.jpg (8041 bytes)

Amizade

Quando se descobre a verdadeira felicidade, a gente fica de olhos bem abertos e fica surpreso de ver tantos de olhos fechados, sem verem o mundo com toda sua beleza. Quando se descobre a felicidade, a pessoa enxerga bem mais adiante, pois descobriu um tônico que leva os fracos a ficarem fortes e não deixa os fortes se enfraquecerem.

O ser humano consciente vive pelo mundo plantando amizade aqui e ali, essa amizade sadia que é pintada de mil cores pelos artistas. A amizade é uma conquista íntima que nos acalenta e isso só se descobre com o conhecimento de si mesmo como Força e Matéria, esse princípio de tudo que existe, do infinitamente pequeno ao infinitamente grande. Pela amizade, descobre-se que a vida é linda e tem profundezas onde a alma humana pouco esclarecida raramente pode penetrar, porque os objetos externos vivem a atraí-la, levando-a para caminhos tortuosos.

A vida é cheia de tombos, mas os tombos fazem parte da ascensão. O ser humano cai, quando se descuida, mas toda flor é fraca quando começa a nascer e estamos sempre nascendo para a vida, que é eterna. O ser humano tem de buscar sempre o esclarecimento de si mesmo, pois esse conhecimento é uma esperança que semeia de flores os caminhos por onde o homem passa, afastando dele a incerteza, essa coisa que mata e quem quer mesmo viver feliz deve abrir as portas de sua vida de par em par e mandar que a incerteza vá procurar outro rancho onde morar.

Assim procedendo, o ser humano conquista a felicidade, não essa que consiste na aquisição disso ou daquilo, porque amanhã o objeto material já está integrado na vida de quem assim agiu e ele volta a dizer que não tem felicidade. Para esse grupo, a felicidade é coisa efêmera que passa muito ligeiro, porque não sabe retê-la, por idealizá-la incorretamente como os que correm atrás de bolhas de sabão.

Quando se descobre a verdadeira felicidade, a gente fica de olhos bem abertos e fica surpreso de ver tantos de olhos fechados, sem verem o mundo com toda sua beleza. Quando se descobre a felicidade, a pessoa enxerga bem mais adiante, pois descobriu um tônico que leva os fracos a ficarem fortes e não deixa os fortes se enfraquecerem.

O ser feliz mantém seus pensamentos sempre limpos e bem dirigidos, não transformando sua mente em palco de cenários frágeis, pois a alma humana é um clarão e o corpo, uma argila, que se conturba muitas vezes, por não saber o ser humano separar o joio do trigo.

A felicidade é um desejo de todos e esse bem deve ser conquistado dia a dia, com o esclarecimento espiritual de cada um, buscando dar valor ao que valor tem.

Uma vez descoberta a felicidade, o ser humano passa a plantar amizade, esse sentimento bonito que brota da felicidade verdadeira.

Aquiles Moisés dos Santos
Belo Horizonte, 1 de janeiro de 2002

 

Página Principal da Gazeta  | Página anterior

Gazeta do Racionalismo Cristão - Uma filosofia para o nosso tempo